Descrição de chapéu Obituário ( - )

Mortes: Inquieto, sonhador e teimoso, Eduardo fez de tudo um pouco

Formado em física, foi professor, sócio de livraria, dono de bar e técnico de informática

Luiza Bandeira
São Paulo

Quando ouviu que um grupo de jovens de Madagascar havia chegado ao Brasil para uma apresentação artística e não tinha onde ficar, Eduardo Prates não pensou duas vezes: saiu da própria casa e ofereceu o espaço, de dois quartos, para 17 adolescentes e duas responsáveis por elas.

Como resultado da superlotação da casa, acabou com uma conta de luz astronômica e uma bomba de água quebrada, mas não se importou. Exibia, orgulhoso, um chaveiro do país africano e o bilhete que as meninas deixaram, agradecendo a hospedagem na cidade de Niterói (RJ).

“Ele era meio atrapalhado, não tinha muita coisa, mas oferecia até aquilo que não tinha. Era uma pessoa extremamente gentil”, disse a companheira dos últimos seis anos, Nilza Alves.

Carlos Eduardo Prates Lima (1964-2020)
Carlos Eduardo Prates Lima (1964-2020) - Arquivo pessoal

Uma das primeiras mensagens que chegaram após a notícia de sua morte exemplifica essa gentileza. Um amigo lembrou que, quando passou por uma situação de perda na família, Eduardo, então dono de um bar, enviava uma quentinha para ele todos os dias, sem cobrar nada.

Em casa, Eduardo tinha duas placas que resumiam sua vida. A primeira era um sinal de “proibido estacionar”.

Inquieto, sonhador e um pouco teimoso, Eduardo fez de tudo um pouco. Formado em física pela UFRJ, foi professor, sócio de livraria e dono do legendário bar JP, em Niterói. Teve curso de inglês e passou os últimos anos atuando como técnico de informática.

A segunda placa dizia: “Faça mais o que você ama” —​e ele fazia. Passava horas e horas tocando violão, tendo a MPB como carro-chefe no repertório.

Flamenguista, não perdia um jogo na TV. Tinha dezenas de livros em casa, gostava de maratonar séries, e ficava feliz ao fazer seu famoso carbonara para a família.

Era fã incondicional da filha, Larissa, com quem passou muitos domingos passeando no Campo de São Bento. No isolamento da pandemia, encontrou alegria ao brincar com a neta “emprestada”, Nina, em seus primeiros meses de vida.

No dia 22 de dezembro, Eduardo sofreu um infarto fulminante. Deixa parentes e amigos, entre eles a companheira, Nilza, a filha, Larissa, e o cachorro, Pateta.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.