Dez morrem em operação policial em favelas no Rio

Nenhuma das vítimas era PM; territórios são disputados entre o tráfico e a milícia

Rio de Janeiro

Dez pessoas morreram na manhã desta quarta-feira durante operações da Polícia Militar do Rio de Janeiro em favelas da zona norte e oeste da cidade. Nenhum dos mortos era policial.

Durante a operação foram apreendidos cinco fuzis, uma submetralhadora, quatro pistolas, granadas, rádios comunicadores e drogas.

A ação ocorre em meio à determinação do STF (Supremo Tribunal Federal) que suspendeu em junho todas as operações policiais no Rio enquanto durar o estado de calamidade pública decorrente da pandemia da Covid-19.

Polícia em Quintino, na Zona Norte do Rio; moradores relataram intenso tiroteio
Polícia em Quintino, na Zona Norte do Rio; moradores relataram intenso tiroteio - Reprodução / TV Globo

Segundo decisão do ministro Edson Fachin, apenas incursões excepcionais poderiam acontecer. A restrição foi confirmada em agosto pelos demais ministros, no plenário.

A ação ocorreu nas comunidades da Caixa D’Água e do Morro do 18, em Quintino, do Morro do Urubu, em Pilares, do Flexal, no Engenho da Rainha, e da Barão, Bateau Mouche e Chacrinha, na Praça Seca. Esses territórios são disputados pela milícia e pelo tráfico de drogas.

A polícia afirma que foi atacada por criminosos armados em diversos pontos das favelas, o que teria iniciado os confrontos que resultaram nas mortes. Outras 11 pessoas foram presas.

A corporação diz que a ação teve como objetivo estabilizar a região, disputada pelo crime. De acordo com a Polícia Militar, as facções desejam ampliar o tráfico de entorpecentes e controle de serviços fornecidos à população local, como a venda de gás e o fornecimento de internet e TV a cabo, práticas típicas das milícias.

A reportagem questionou o Ministério Público do Rio se a operação desta quarta-feira foi comunicada pela Polícia Militar e se haveria investigação para apurar as mortes, mas não obteve resposta. ​

A Defensoria Pública do Rio informou que solicitou informações aos comandantes dos batalhões que participaram da ação. O órgão lembrou, também, que a comunicação imediata ao MP-RJ e uma justificativa por escrito da autoridade competente são obrigatórios.

O aumento do número de mortes por intervenção policial no Rio em outubro, a despeito da decisão do STF, levou Fachin a exigir respostas do governo fluminense.

O ministro determinou em novembro que o estado do Rio de Janeiro apresentasse os motivos para a realização das operações, com cópia dos ofícios encaminhados ao Ministério Público, assim como a descrição dos cuidados tomados durante as ações.

De junho a setembro, após a decisão do Supremo, o número de mortes por intervenção do Estado caíram drasticamente no Rio. Em outubro, no entanto, dados do ISP (Instituto de Segurança Pública) mostram que o índice voltou ao patamar anterior à determinação. Já em novembro e dezembro os números foram novamente reduzidos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.