Descrição de chapéu Folhajus

Participantes de roubo de 770 kg de ouro do aeroporto de Guarulhos recebem pena conjunta de 221 anos de prisão

Justiça paulista condenou seis pessoas a períodos que vão de 24 a 43 anos de reclusão

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A Justiça de São Paulo condenou nesta quarta-feira (30) seis pessoas acusadas de participação no roubo ao aeroporto internacional de Guarulhos, em julho de 2019, quando foram levados 770 quilos de ouro, além de joias, por criminosos disfarçados de agentes da Polícia Federal.

As penas de cada um variam entre 24 e 43 anos de reclusão, que, somadas, superam 221 anos, conforme sentença do juiz da 6ª Vara Criminal de Guarulhos, Gilberto Azevedo de Moraes Costa. A decisão foi revelada pelo jornalista Josmar Jozino, colunista do UOL.

Entre os seis condenados está Francisco Teotônio da Silva Pasqualini, conhecido como "Velho", que durante as investigações chegou a ser chamado pelos policiais do Deic (combate ao crime organizado) de “Professor”.

O apelido faz alusão ao personagem que lidera um bando de ladrões na série “Casa de Papel”, da Netflix, desenvolvendo o plano e treinando a gangue sem precisar entrar nos locais onde os assaltos acontecem. Pasqualini, que está preso desde janeiro de 2020, foi condenado a 39 anos e sete meses.

3x4 de homem careca, branco, com cerca de 50 anos
Francisco Teotônio da Silva Pasqualini, apontado como mentor do roubo de 770 kg de ouro em Cumbica - divulgação

Também está entre os condenados Peterson Patrício, então funcionário do aeroporto de Guarulhos, que ajudou no ingresso dos criminosos ao terminal de carga, onde o carregamento do ouro estava sendo embarcado para deixar o país –como ocorre rotineiramente naquele local, segundo a polícia.

Patrício disse para a polícia que a família havia sido sequestrada e, por isso, foi obrigado a ajudar os criminosos no plano. Após entrar em algumas contradições, acabou confessando aos policiais integrar a quadrilha e que havia enganando até mesmo os familiares sobre tudo.

O ex-funcionário foi condenado a 24 anos de reclusão. Peterson Brasil, amigo de infância de Patrício e quem acabou convencendo-o a participar do plano, foi condenado a 39 anos e sete meses de reclusão.

Também foram condenados Célio Dias, Marcelo Ferraz da Silva, Joselito de Souza. A pena do primeiro foi definida em 31 anos e 11 meses de reclusão, e para os outros dois, a condenação chegou a 43 anos e dois meses.

Viaturas clonadas da Polícia Federal usadas em roubo de carregamento de ouro no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos - Divulgação

De acordo com a sentença, Marcelo Ferraz e Joselito coordenaram a parte operacional, com aquisições de armamentos e adulterações de veículos. Célio Dias “auxiliou de várias formas, após a subtração das cargas do aeroporto”.

Também foi denunciado como integrante do bando o ourives Marcelo José de Lima, 44, mas, o réu morreu durante processo. A suspeita da polícia que Lima tenha ajudado no escoamento do produto roubado, que não foi recuperado até hoje.​ Policiais afirmam estimar que o patrimônio de Lima supere R$ 2 milhões.

O roubo consumiu R$ 1 milhão dos assaltantes —a polícia estima um total de 14 pessoas envolvidas— e longo planejamento. A ação no aeroporto durou dois minutos e meio e foi captada pelas câmeras de segurança.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.