Heliópolis vai ganhar fachadas coloridas no entorno do futuro Parque da Cidadania em São Paulo

Além da pintura, iniciativa também inclui melhorias em centenas de moradias da região, localizada na zona sul de SP

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Os tijolos à mostra e as paredes cinzas de algumas casas de Heliópolis, localizada na zona sul de São Paulo, ganharão cores. Parte de um projeto do governo do estado, um mural de fachadas coloridas será formado por cerca de 1 km de extensão na comunidade.

As moradias que serão pintadas são as das quadras contíguas ao terreno onde será o Parque da Cidadania, ainda em estágio inicial de obras. A área fica localizada próxima à estação de tratamento de esgoto da Sabesp de Heliópolis.

Projeto de fachadas coloridas assinado pela galerista e artista plástica Marília Razuk
Projeto de fachadas coloridas assinado pela galerista e artista plástica Marília Razuk - Divulgação

O secretário de Habitação do estado, Flávio Amary, afirma que o projeto não se restringe às fachadas com cores vibrantes, mas também visa realizar reformas dentro das residências. A previsão é que as obras na região comecem ainda nesta quinta-feira (23).

O projeto faz parte do programa Viver Melhor, que recupera moradias em inadequação habitacional ocupadas por famílias em situação de vulnerabilidade e localizadas em assentamentos precários.

Por isso, além das paredes pintadas, cerca de 1.000 famílias da região também terão melhorias em suas residências, como saneamento básico, introdução de janelas, melhorias na instalação elétrica e hidráulica. Ao todo, Heliópolis, que é considerada a maior comunidade de São Paulo, reúne 1 milhão de m² e cerca de 220 mil habitantes.

“É uma intervenção que pode parecer, para quem vê de fora, que é só uma pintura, mas é muito mais do que isso”, diz Amary, que afirma que o projeto é o mesmo do que está sendo realizado em São Bernardo do Campo.

A ideia, de acordo com o governo, é que sejam concluídos, por mês, melhorias em até 200 domicílios. O custo do projeto é estimado em R$ 20 mil para cada família, totalizando, assim, R$ 20 milhões.

Casas reformadas e pintadas com cores vibrantes, em São Bernardo do Campo, após o projeto Viver Melhor do governo de SP
Casas reformadas e pintadas com cores vibrantes, em São Bernardo do Campo, após o projeto Viver Melhor do governo de SP - Divulgação

Marcivan Barreto, presidente da Cufa (Central Única das Favelas), conta que já pediu autorização para os moradores da área que será reformada e a resposta foi positiva. "A única exigência que eles fazem é quanto à escolha das cores”, diz ele.

Moradora de uma das casas da região, que será contemplada pelo projeto, Cristina Santos da Silva, 23, mora ali desde que nasceu. Ela vive em uma casa com cinco pessoas e afirma que ela e sua família estão felizes e ansiosas pela reforma. “Isso será bom não só para mim, mas para o meu filho também”, afirma.

A área vai reunir espaços de lazer, esporte, qualificação profissional e incentivo ao empreendedorismo. Segundo Fernando Chucre, presidente do Fundo Social, a previsão é que o paisagismo da praça fique pronto no início de 2022 e as edificações até o final do ano que vem.

De acordo com ele, isso seria um projeto piloto para uma reforma mais expandida para outras regiões da comunidade de Heliópolis.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.