Hipster da Federal morre baleado no interior de Goiás

Policial ficou conhecido em prisão do deputado Eduardo Cunha, em 2016, pela PF

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Cleomar Almeida
Goiânia

O agente da PF (Polícia Federal) Lucas Valença, que ganhou fama com a prisão de Eduardo Cunha, em 2016, foi morto com um tiro, na noite de quarta-feira (2), depois de invadir uma propriedade rural no interior de Goiás.

Ele foi baleado pelo dono do imóvel que, após atingi-lo, chamou a PM (Polícia Militar). Segundo a corporação, amigos e familiares disseram que o policial estava em surto psicótico desde a terça (1º).

Testemunhas relataram ainda que Valença, que ficou conhecido como Hipster da Federal ou Lenhador da Federal, teria gritado que "havia um demônio" na residência, antes da invasão, de acordo com a PM. O autor do disparo foi preso em flagrante por porte ilegal de arma.

deputado eduardo cunha de terno e gravata é escoltado por três policiais, de camisa preta; dois pilotos com macacão verde estão na cena, com avião atrás
Policial federal Lucas Valença (de barba) acompanhou o ex-deputado Eduardo Cunha em prisão em 2016 em Brasília - Pedro Ladeira-19.out.16/Folhapress

Segundo o delegado Adriano Jaime, da Polícia Civil de Goiás, o autor do disparo, que trabalha como auxiliar de almoxarifado, afirmou que estava em sua casa, no município de Buritinópolis (a 470 km de Goiânia), juntamente com a filha, de três anos, e a esposa, quando começou a ouvir gritos do lado de fora.

Ainda de acordo com relato do dono do imóvel, Valença dizia que, se todos não saíssem da casa, ele entraria e os mataria.

Em seguida, de acordo com relato à polícia, o morador disse ter ficado com medo e pegado sua arma de pressão modificada para arma de fogo calibre 22. Valença, então, teria desligado o padrão de energia do imóvel e arrebentado a porta da casa.

O autor do disparo disse à polícia que avisou Valença que estava armado e não entrasse, mas, mesmo assim, ele ingressou no imóvel e seguiu na sua direção. Foi, então, que o auxiliar disparou um tiro.

"O tiro, segundo a versão do autor, foi um pouco abaixo do peito [do policial federal]. Ele fez o disparo às cegas. Ele disse que apenas apontou a arma e efetuou o disparo", afirmou o delegado.

Depois de levar o tiro, Valença começou a gritar que era policial, de acordo com informações colhidas pelo delegado. Em seguida, o morador ligou para a PM e pediu socorro.

detalhe de porta branca metálica aberta na entrada de uma casa
Casa onde policial federal foi morto antes de desligar padrão de energia elétrica, em Goiás - Divulgação/Policia Civil

"Depois dos primeiros socorros, todos foram encaminhados para a delegacia, onde foi feito auto de prisão em flagrante por posse irregular de arma de fogo. O homicídio será apurado por meio de inquérito policial, já que, por circunstâncias do fato, seria por legítima defesa", disse o delegado.

Depois de prestar depoimento, o morador pagou fiança, arbitrada no valor de R$ 2.000, e foi liberado. Ele deve aguardar em liberdade a conclusão da investigação.

Agentes do Instituto de Criminalística da Polícia Civil estiveram na chácara para realizar a perícia no local. O Instituto Médico-Legal de Posse recolheu o corpo para exames que devem indicar a causa da morte.

A Polícia Civil informou que ainda não havia sido constituído advogado para a defesa do homem que atirou no agente da PF. A reportagem não conseguiu contato com familiares do policial federal. A advogada da família dele não respondeu à mensagem enviada por email.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.