Descrição de chapéu Obituário Margarida Maria Silveira Barreto (1944 - 2022)

Mortes: Médica baiana, foi grande nome da pesquisa sobre assédio moral

Margarida Barreto teve infância pobre e atuou no Partido Comunista Brasileiro

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Em seus 50 anos de medicina, Margarida Barreto trouxe ao mundo incontáveis crianças. Ela ficou conhecida, porém, pelo trabalho pioneiro sobre assédio moral, o que a tornou um dos grandes nomes brasileiros na área.

Da infância pobre em Salvador, contava como a mãe a acudiu com folhas de bananeira quando derramou em si uma panela de óleo que estava no fogão.

A mãe, inclusive, sempre foi um exemplo de honestidade e solidariedade para a filha. "Uma vez ela achou uma boneca no lixo, ficou muito feliz e levou para casa. ‘Vá e devolva. Está no lixo, é do lixo. Aprenda a não pegar nada de ninguém’", conta a sobrinha Danyella Barreto.

Margarida Maria Silveira Barreto (1944-2022)
Margarida Maria Silveira Barreto (1944-2022) - Arquivo pessoal

Sem energia em casa, aproveitava a luz do poste para estudar. A persistência rendeu frutos e ela passou em medicina. Os colegas diziam que a aluna bolsista usava apenas dois vestidos –o que era verdade.

No início da graduação, se alimentava com o que uma freira lhe dava e com doses de glicose que sobravam dos pacientes. Foi nesse período que uma cirurgiã experiente passou a orientá-la ao ver sua destreza com as mãos. A sua aptidão fez com que a médica contatasse uma colega, com quem tinha rixa, para também ensiná-la.

Margarida conheceu o marxismo na faculdade e entrou para o Partido Comunista Brasileiro. Engajada politicamente, trabalhou seis meses em uma aldeia indígena. Tempos depois, ficou um ano na União Soviética e atuou como médica, por quatro anos, na guerra civil de Angola.

Nos anos 1970, fez residência em obstetrícia e ginecologia em São Paulo e, no trabalho, dizia sofrer preconceito por ser nordestina e pobre.

"Todo fim de semana ia para as comunidades para atendimentos e atividades do partido", afirma a sobrinha.

Após a morte trágica da filha adolescente, em 1991, a baiana mudou seu enfoque e passou a se dedicar à medicina do trabalho. Cursou também mestrado e doutorado em psicologia social e se especializou em assédio moral.

No sindicato dos químicos de São Paulo, onde atuou por anos, ouviu centenas de relatos sobre assédio. A partir das conversas, escreveu dois livros e criou núcleos de estudo em várias cidades e países.

"O Brasil acabou tendo uma importância em toda a América Latina e o reconhecimento no exterior graças à Margarida", afirma o amigo Roberto Heloani. A pesquisadora foi convidada a fundar ouvidorias em estatais e também travou inúmeras conversas com legisladores para mudar a visão judicial sobre o assédio moral.

A médica estava se tratando de um câncer no estômago desde abril de 2021 e, após uma metástase, morreu no último dia 3, aos 77 anos. Deixa familiares, amigos e incontáveis pacientes que se lembrarão de suas consultas que duravam horas.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.