Descrição de chapéu Obituário Omar Moore de Madureira (1935 - 2022)

Mortes: Engenheiro por formação, amou a docência até o último dia

Omar Moore de Madureira também atuou em empresas importantes, como a Ford

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A generosidade, o senso de justiça e o interesse genuíno pelo ser humano abriam precedentes para que o engenheiro mecânico Omar Moore de Madureira vivesse indignado com a injustiça social cada vez maior no país.

Em 2022, ano de eleição presidencial, havia recuperado as esperanças perdidas algumas vezes e repetia aos quatro cantos e para quem quisesse seu apoio a Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Omar Moore de Madureira nasceu em São Paulo, filho de um funcionário da Light e de uma dona de casa. Estudou na Escola Estadual Caetano de Campos e graduou-se em engenharia mecânica pela Escola Politécnica da USP (1960). O mestrado, também em engenharia mecânica foi na Purdue University, em Indiana, nos Estados Unidos.

Omar Moore de Madureira (1935-2022)
Omar Moore de Madureira (1935-2022) - Omar Madureira no Facebook

Por muitos anos, Omar lecionou na USP, na SAE Brasil e na Fundação Carlos Alberto Vanzolini. Paralelamente, construiu sua trajetória em algumas empresas. Trabalhou na Ford Brasil por quase 15 anos e na Promec (Projetos Mecânicos SC Ltda).

Foi consultor em dinâmica de veículos e gestão de projetos na Madureira Engenharia Ltda. Além disso, tinha um livro publicado pela editora Blucher: "Metodologia do Projeto: Planejamento, Execução e Gerenciamento". Omar planejava mais duas obras, sobre projetos e uma autobiografia.

"Ele tinha amor pela docência e era bastante querido pelos alunos. Muito ativo, deu aulas até a semana passada em programas de pós-graduação ligados a Poli", conta a professora universitária Miriam Mesquita Sampaio de Madureira, 55, sua filha.

Omar era íntegro, honesto, alegre, interessado pelo mundo, gostava de esportes, música erudita, jazz e MPB. Homem ligado à família, era um excelente pai e avô.

Recentemente, havia retomado as aulas de natação de antes da pandemia.

O engenheiro morreu dia 31 de março, aos 86 anos, após sofrer convulsões de causa indeterminada.
Omar estava casado com Marina Mesquita Sampaio de Madureira havia 57 anos.

Além da esposa, deixa os filhos Miriam, Maurício e Flávia e os netos Paulo, Taís, Luísa, Rafael e Helena.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.