Descrição de chapéu Planeta em Transe chuva

São Paulo teve setembro mais quente da história

Média das temperaturas máximas na cidade ficou em 30,2°C, maior valor já registrado na série histórica

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O mês passado foi o setembro mais quente da cidade de São Paulo, desde 1943, quando o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) começou a fazer a medição na estação meteorológica de Santana, na zona norte do município.

A média das temperaturas máximas ficou em 30,2°C, cerca de 5°C acima da normal climatológica —os valores padrões obtidos a partir da média de anos anteriores— para o mês, que é de 25,2°C, aponta o órgão vinculado ao Ministério da Agricultura e Pecuária.

A maior marca no mês foi registrada no dia 24, quando os termômetros bateram 36,5°C, a temperatura mais alta do ano. Foi também o maior valor já registrado em setembro na história.

Homem ao lado de criança que se protege do sol em sombra de ponto de ônibus
Pessoas circulam pela região da avenida Paulista em dia de forte calor na cidade - Zanone Fraissat - 19.set.2023/Folhapress

Os últimos meses de julho e agosto já tinham sido os mais quentes desde que começaram as medições.

E não para por aí. O inverno na capital paulista foi o mais quente dos últimos 62 anos, segundo o Inmet, com temperatura média de 26°C. São Paulo não foi a única. Levantamento da Folha mostrou que 40% das capitais brasileiras tiveram o inverno mais quente da história.

Segundo a análise da Folha, em 2023, tais cidades tiveram temperaturas de 0,5°C a 3,4°C maiores do que na primeira década do século. Nem todas as cidades registraram recorde de calor no inverno, mas absolutamente todas as capitais analisadas esquentaram na comparação com a média da década de 2001 a 2010.

Por fim, o mundo teve o agosto mais quente já registrado na história, nos 174 anos de registro da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (Noaa, na sigla em inglês). A temperatura média global da superfície do planeta foi 1,25°C superior à média do século 20 para o mês de agosto.

Maiores temperaturas para o mês de setembro

Temperaturas obtidas na estação convencional do Mirante de Santana

  1. 2023

    36,5°C

  2. 2019

    35,9°C

  3. 2021

    35,7°C

  4. 2015

    35,5°C

  5. 2004

    35,3°C

Em São Paulo, a média das temperaturas mínimas ficou em 18,1°C, também o maior valor para o mês, de acordo com o instituto. Pelos registros do Inmet, a normal climatológica para a mínima do mês é de 14,9 °C. Assim, o desvio foi de 3,2 °C acima da normal climatológica.

No dia 1º foi registrada a menor temperatura do mês, de 12,6 °C.

O Inmet também chama a atenção a mínima de 23,6°C atingida no dia 19 do mês passado, que foi a mínima mais elevada do ano até agora. Segundo o instituto, pode se tratar da mais alta mínima para o mês de setembro desde 1961.

O dia 16, por sua vez, teve a maior amplitude térmica do mês, com variação de 17°C (com mínima de 12,9°C e máxima de 29,9°C).

Esquentou mais e choveu menos. Conforme balanço divulgado na tarde desta segunda-feira (2), o instituto diz que a estação meteorológica de Santana registrou o volume de precipitação acumulado em setembro foi de 77,6 mm.

O valor é cerca de 10 mm abaixo da média, de 88,3 mm. Mesmo assim, afirma, está dentro normalidade.

O maior volume de chuva em 24 horas foi de 29,4 mm, totalizado na manhã do dia 28.

Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas) da prefeitura de São Paulo, que tem valores um pouco diferentes dos apresentados pelo Inmet, houve concentração da maior parte da precipitação (cerca de 73% da chuva) em três dias no mês passado.

Outubro chuvoso

Se setembro terminou com menos chuvas que o normal, outubro começou com céu fechado e alagamentos na cidade de São Paulo.

O Inmet afirma que no fim da noite de sábado (30) foi registrado o acúmulo de 15,6 milímetros (mm). E entre, entre as 3h e as 4h deste domingo (1º), de 25,6 mm.

Conforme o instituto, uma massa de ar úmida e instável predominava sobre São Paulo. Além disso, o avanço de alguns cavados (áreas alongadas de baixa pressão) de onda curta em níveis médios da atmosfera potencializou a instabilidade.

Segundo o CGE, são esperados para o mês de outubro 107,8 mm de chuva. O CGE aponta que, nos primeiros dois dias de outubro, a precipitação acumulada é de pouco mais de 40% do que se esperava para todo o mês.

De quarta-feira (4) até sexta (6), o Inmet aponta que a cidade deve ter pancadas de chuva isoladas. A máxima esperada para quarta é de 30°C e as mínimas esperadas para quinta e sexta são de 16°C.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.