Descrição de chapéu Obituário Rivandro Ricardo de França (1978 - 2024)

Mortes: Chef levou a gastronomia para a TV de Pernambuco

Rivandro França valorizava tradições nordestinas em seus pratos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Juazeiro (BA)

Quem visitava o restaurante Cozinhando Escondidinho, no Recife (PE), além de se deliciar com pratos nordestinos, divertia-se com a irreverência de Rivandro França. O chef de cozinha recebia todos com sorriso largo, ditados populares e entregava uma ratoeira numerada, era a senha de espera para o disputado local.

Seu carisma o levou para as telinhas. Após participar de entrevistas e demonstrar talento em frente às câmeras, foi convidado para um teste na TV Jornal, afiliada do SBT em Pernambuco.

Apresentava o "Cozinhando em Casa" nas plataformas digitais. Em agosto de 2020, assumiu o "Sabor da Gente", programa diário que comandou até novembro de 2023. Ultimamente, fazia o quadro "Feira da Super Manhã" na rádio Jornal.

Rivandro Ricardo de França (1978 - 2024)
Rivandro Ricardo de França (1978 - 2024) - Reprodução/Facebook

Rivandro Ricardo de França nasceu em 1978, no Recife. Era o mais novo dos quatro filhos dos paraibanos Ricardo Luiz e Luzinete Maria.

A infância humilde era contornada pela alegria do menino sapeca, mas a realidade o fez começar a trabalhar cedo. Ajudava o irmão no comércio desde os 10 anos. Vendia pastel, picolé e o que mais precisasse.

Aos 14, trabalhou em supermercado, onde aprendeu a fazer pães e pizzas. Foi seu primeiro contato com a gastronomia, além da inspiração do pai, que cozinhava.

Fez curso técnico de enfermagem, aos 18. Foram mais de 15 anos na saúde, sete deles servindo ao Exército. Entre um atendimento e outro, mostrava seu talento em pratos e ornamentação para eventos institucionais.

A paixão pela gastronomia o levou à faculdade em 2008. No período, fazia bombons de chocolate e inovava nos sabores com cachaça, bolo de rolo e macaxeira. Os doces foram os primeiros a chamarem a atenção da imprensa.

No terraço de sua casa, Rivandro montou o primeiro restaurante, à época com apenas quatro mesas. O local em uma subida de ladeira foi a inspiração do nome Cozinhando Escondidinho. Depois, mudou para um espaço maior.

"Ele sempre foi muito simpático e comunicativo. Começou a divulgar com o pessoal de reportagem e a casa ficava lotada", diz o irmão mais velho, Carlos França, 60.

O chef que sofisticava tradicionais pratos nordestinos foi o "Chef Revelação" do Guia Brasil 2013. Em 2016, recebeu o título de "Melhor Chef de Pernambuco" pelo Prêmio Nacional Dólmã.

Riva, como era chamado, também gostava de escrever poesias e letras de músicas. Na sala do estabelecimento, uma parede era dedicada ao poeta Jessier Quirino.

Rivandro foi encontrado morto em casa, no último 23 de março, aos 45 anos. Deixa o pai, Ricardo Luiz, e a mãe, Luzinete Maria, a esposa, Tatiane, e os filhos Haudner e Tâmara. Também ficam três irmãos, Carlos, Ruben e Ricardo Filho, e dez sobrinhos, um deles hoje também chef de cozinha.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.