Descrição de chapéu Obituário Idelson da Conceição Sales (1965 - 2024)

Mortes: Filho de Ogum, foi pai espiritual de centenas

O babalorixá Idelson da Conceição Sales comandou durante 34 anos o terreiro Ilê Axé Ogunjá

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Salvador (BA)

O babalorixá Idelson da Conceição Sales, conhecido popularmente como Pai Idelson, era um pai de santo firme, mas também carinhoso.

Natural de Muritiba, com 24 anos assumiu o terreiro Ilê Axé Ogunjá, em São Félix, também no Recôncavo Baiano, após a morte do fundador, Pai Antônio. Aprendeu desde adolescente as obrigações do candomblé, entendendo depois o porquê de tantas orientações recebidas: "Eu estava sendo preparado para assumir a casa", dizia.

Durante os 34 anos de sacerdócio, Pai Idelson se notabilizou por ajudar aqueles que batiam à sua porta.

Idelson da Conceição Sales (1965 - 2024)
Idelson da Conceição Sales (1965 - 2024) - Arquivo pessoal

Pai Idelson era filho de Ogum, orixá da guerra. A vida de babalorixá era menos pesada com a ajuda de uma pessoa especial: Mãe Raquel, amiga e confidente por mais de 40 anos. "Minha mãe ajudava Pai Idelson a lidar com os desafios no terreiro", contou Luzia Gomes, filha mais velha de Raquel.

Especialista em candomblé e na cultura iorubá, Idelson recebeu em janeiro de 2022 o título de Doutor Honoris Causa Inter-Religioso, concedido pela Faculdade Febraica e pela Ordem dos Capelões do Brasil (OCB).

Homem sério, Idelson era discreto na vida pessoal. Demonstrava carinho pelos muitos amigos, filhos e filhas de santo, fosse pessoalmente ou por mensagens de WhatsApp. Fã de MPB, parecia encontrar conforto para suas dores íntimas nas letras das canções.

Andava sempre bem vestido, além de ostentar um notório bigode, marca herdada do seu pai biológico. Era fascinado por louças e móveis antigos, que cuidava pessoalmente. Estava ansioso pela reforma da cozinha do terreiro, possibilitada por um edital, mas não a viu sair do papel.

Após a morte de Mãe Raquel (por Covid-19), em 2021, Idelson não foi mais o mesmo. Perdeu, a um só tempo, "mãe, filha, irmã e confidente", nas palavras dele. "Sinto que ele não superou a morte da minha mãe, ainda mais com as restrições do velório, no auge da pandemia. Eles se amavam muito, era um amor de outro plano existencial", disse Luzia.

Idelson morreu de falência múltipla de órgãos aos 58 anos, no dia de São Jorge (23 de abril) — santo católico que representa Ogum, no sincretismo religioso.

Não teve filhos biológicos, mas foi pai espiritual de centenas, deixando órfãos seus filhos e filhas de santo, além de familiares, amigos e admiradores.

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.