Descrição de chapéu Obituário Luiz Fernando Herculino (1980 - 2024)

Mortes: Com seu sorriso largo, publicitário desfilou simpatia no sambódromo e na vida

Luiz Fernando Herculino foi mestre-sala de escolas como Rosas de Ouro e Vai-Vai

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A marca registrada do publicitário Luiz Fernando Herculino era a risada: alta, escandalosa e contagiosa. Motivo de expulsão constante da sala de aula na escola municipal Marcílio Dias, no Imirim, zona norte de São Paulo, onde escolheu estudar para ficar perto dos primos, já que não tinha irmãos.

Mais do que uma risada potente, Fê, como era conhecido pelos mais chegados, tinha a lealdade como característica. Foi o melhor amigo de infância desta repórter e de muitas outras pessoas que cruzaram seu caminho. Sua atenção era tão disputada que ele parecia um rock star, ou melhor, um samba star, já que o ziriguidum era sua grande paixão.

Amante do samba, fez curso para se tornar mestre-sala. Depois de formado, ingressou em uma escola pequena, mas seu talento logo foi reconhecido. Em 2013, foi convidado para representar o quadro de casais da Rosas de Ouro, cortejando a porta-bandeira.

Um homem vestido de branco e asas de anjo, segurando uma bandeira comemorativa da Vai Vai no sambódromo do Anhembi
Luiz Fernando Herculino (1980 - 2024) - Felipe Araújo - 19.jun.2024/Liga SP

"Ele foi chamado para fazer seu primeiro desfile como mestre-sala numa escola de samba bem pequena, porém a nossa emoção, tanto dele como a nossa [dos pais], foi grandiosa. Não cabíamos em nós de tanto orgulho, afinal ele estava realizando um sonho. Nesse dia as lágrimas rolaram", conta o pai, Luiz Tadeu Herculino, 69.

O sentimento continuou quando Luiz Fernando estava na passarela da agremiação no Grupo Especial. "Ele sentia uma enorme alegria quando íamos vê-lo na avenida desfilando, fosse em um ensaio técnico ou um desfile oficial", diz Herculino.

Na passarela do Anhembi vestido com sua fantasia de Carnaval, protegendo a porta-bandeira, Luiz Fernando logo fazia uma reverência elegante quando via sua mãe, Dalva Arruda Herculino, 74, que abria os braços na plateia como que reverenciando um grande artista em cena.

Mas a escola do coração de Luiz Fernando era a Vai-Vai, a maior campeã do Carnaval paulista, que ele sonhava representar. O convite veio em 2022, e ele também esteve com a Saracura na avenida em 2023, quando a escola da Bela Vista foi a grande campeã do Grupo de Acesso, retornando assim ao grupo de elite. Foi a última vez que ele pôs os pés no sambódromo.

Luiz Fernando morreu em 16 de maio, aos 44 anos, em decorrência de uma insuficiência renal crônica seguida de uma pneumonia. Ele deixa os pais, primos, amigos e seu legado na avenida do samba.

A Amespbeesp (Associação de Mestres-Salas, Porta-Bandeiras e Estandartes do Estado de São Paulo) lamentou "com profundo pesar" a morte "do nosso grande amigo e mestre-sala", em mensagem publicada nas redes sociais.

"Fernando encantou a muitos com seu bailado único, desfilou por várias agremiações tendo sua última passagem pela escola do povo Vai-Vai. Um apaixonado por Carnaval e pelo bailado que deixará saudades a todos os que o conheciam."

coluna.obituario@grupofolha.com.br

Veja os anúncios de mortes

Veja os anúncios de missa

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.