Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/07/2010 - 00h00

Kentaro Takaoka (1919-2010) - Médico anestesista e inventor

Publicidade

FELIPE CARUSO
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Kentaro Takaoka queria ser engenheiro. A tradição familiar japonesa, no entanto, dizia que o filho mais velho devia herdar a profissão do pai, que era médico.

Leia sobre outras mortes

Diante do impasse, Takaoka conseguiu juntar as duas carreiras ao inventar equipamentos para anestesia.

O sucesso dessa união está representado no produto que inventou e que recebeu o seu nome: o respirador Takaoka.

Os respiradores artificiais auxiliam pacientes que por algum motivo pararam ou precisam parar de respirar.

Antes de 1955, esse equipamento era enorme e de difícil uso. O autodidata Takaoka entendeu o sistema e o diminuiu, tornando-o simples, portátil, seguro e barato.

Em seguida, fundou uma empresa de fabricação de equipamentos anestésicos.

Em 2005, o presidente Lula entregou a ele o troféu Finep _Inventor Inovador. Na ocasião, disse a Lula que ambos eram torneiros mecânicos. As primeiras peças que fez foram na garagem de casa usando um torno mecânico.

Era o primeiro dos quatro filhos de Sentaro e Sei, que vieram para São Paulo cuidar dos imigrantes japoneses.

Nasceu em São Paulo e formou-se em medicina na USP em 1944. Três anos depois, casou-se com Ruth Takaoka, com quem teve seis filhos, dos quais dois são médicos.

Era rádio amador e gostava de sair para pescar. Ultimamente, dedicava-se a aprender espanhol e a resgatar a cultura do Japão, principalmente assistindo às novelas japonesas que comprava na Liberdade.

Morreu ontem, em SP, de causas naturais, deixando seis filhos e 12 netos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página