Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/09/2010 - 00h00

Nicola Avallone Junior (1919-2010) - Nicolinha, ex-prefeito de Bauru

Publicidade

ESTÊVÃO BERTONI
DE SÃO PAULO

"Bauru, cidade sem limites" era o slogan de Nicola Avallone Junior, o Nicolinha.

Leia sobre outras mortes

Quando ele assumiu como prefeito da cidade em 1956, após uma eleição apertada --a vantagem para o segundo colocado foi de 67 votos--, mandou no primeiro dia de governo asfaltar uma rua em apenas 24 horas, para cumprir promessa de campanha.

Em 1958, seu nome aparecia numa lista dos dez prefeitos mais dinâmicos do país.

Natural de Bauru, Nicolinha era formado em economia. Em 1946, fundou o jornal "Diário de Bauru". Na mesma década, criou a Sociedade Amigos de Bauru e a Casa do Garoto. Muito ativo, acabou virando político.

Em 1959, como prefeito, resolveu presentear Pelé com um carro, uma Romi-Isetta amarela, devido à primeira conquista de um Mundial pela seleção canarinho.

Depois de prefeito, elegeu-se deputado estadual por três vezes consecutivas, cada uma por um partido. Primeiro pelo PTN, depois pelo PDC e, por fim, pela Arena.

Na década de 60, em SP, empregou como office-boy um rapaz chamado José Dirceu, que muitos anos depois também se tornaria político.

Em 1968, foi responsável pelo restabelecimento da loteria esportiva em SP, então proibida. Depois da política, foi dono de uma imobiliária.

Segundo a neta Stella, o avô, fã de futebol, gostava ultimamente de ver os jogos com Ronaldo ou Robinho.

Viúvo há 18 anos, morreu na segunda, aos 91, após parada cardiorrespiratória. Deixa filha e duas netas.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página