Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/10/2010 - 19h11

Promotoria abre procedimento para apurar "rodeio de gordas" no interior de SP

Publicidade

DE SÃO PAULO

Promotora Noemi Correa, de Araraquara, instaurou procedimento para apurar uma "competição" organizada por um grupo de alunos da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e que foi batizada de "Rodeio das Gordas".

Gordinhas têm que se defender, afirma Preta Gil
Aluno da USP é vítima de homofobia em festa promovida pela ECA
Professor vira alvo de chacota e ofensa de aluno na internet
Após audiência, Geisy Arruda se diz confiante em sentença favorável
Justiça abre processo contra informativo homofóbico na USP

O objetivo era agarrar as colegas, de preferências as obesas, e tentar simular um rodeio --ficando o maior tempo possível sobre a presa. Reportagem publicada nesta quarta-feira pela Folha mostra que a agressão ocorreu no InterUnesp 2010, jogos universitários realizados em Araraquara, de 09 a 12 de outubro.

"Fiquei assustada com a falta de respeito desses estudantes com o próximo", afirmou a promotora.

Em nota, o presidente da seccional São Paulo da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Luiz Flávio Borges D'Urso, também criticou o "rodeio". "Essa agressão não pode ser tratada como um episódio inconsequente. Faz um simulacro do gado na arena de rodeio. Negou-se às alunas seu direito mais precioso: a dignidade da pessoa humana, que é um valor ético do qual não podemos abrir mão, especialmente dentro de uma instituição de ensino, à qual caberia observar esse valor".

AGRESSÃO

Roberto Negrini, estudante do campus de Assis, um dos organizadores do "rodeio das gordas" e criador da comunidade do Orkut sobre o tema, diz que a prática era "só uma brincadeira".

Segundo ele, mais de 50 rapazes de diversos campi participavam. Conta que, primeiro, o jovem se aproximava da menina, jogando conversa fora --"onde você estuda?", entre outras perguntas típicas de paquera.

Em seguida, começava a agressão. "O rodeio consistia em pegar as garotas mais gordas que circulavam nas festas e agarrá-las como fazem os peões nas arenas", relata Mayara Curcio, 20, aluna do quarto ano de psicologia, que participa do grupo de 60 estudantes que se mobilizaram contra o bullying.

Daniel Bergamasco/Folhapress
"Bulling (sic) na universidade", escrito em mural da Unesp; em "brincadeira" alunas eram chamadas de gordas
"Bulling (sic) na universidade", escrito em mural da Unesp; em "brincadeira" alunas eram chamadas de gordas

ELIANE TRINDADE, DE SÃO PAULO

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página