Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/03/2011 - 00h10

Fernando Chacel (1931-2011) - Paisagista sucessor de Burle Marx

Publicidade

ESTÊVÃO BERTONI
DE SÃO PAULO

Apesar de não gostar que falassem isso, por pura modéstia, Fernando Magalhães Chacel era considerado o sucessor do paisagista Roberto Burle Marx (1909-1994).

Leia sobre outras mortes

Filho de pai espanhol e de mãe carioca, Chacel se formou arquiteto em 1953, pela então Universidade do Brasil.

Ainda estudante, tornou-se estagiário no ateliê de Burle Marx e ali, admirando as cores e as formas dos trabalhos, começou na carreira.

Nos anos 60, foi diretor de parques e jardins da Guanabara. Depois, fez trabalhos, entre outros, para Furnas e Itaipu, onde realizou seu maior projeto paisagístico.

Para o Ministério da Educação, montou um curso de planejamento paisagístico com o geógrafo Aziz Ab'Saber. Ao lado de Rosa Kliass, foi um dos fundadores da Abap (Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas).

Sidney Linhares, seu sócio, destaca o trabalho do amigo nos parques da gleba E, na Barra da Tijuca, como um dos mais significativos.

Chacel deu aulas no Brasil e no Canadá. Gostava de terminar seus projetos de madrugada e de trabalhar com equipes multidisciplinares.

Da juventude, boêmia, manteve o hábito de tocar acordeão. No último congresso internacional que participou, no Rio, em 2009, apresentou-se com amigos.

Dias depois, sofreu um acidente vascular cerebral e esteve debilitado desde então. Morreu no domingo, aos 79. Teve três filhos --uma morreu em 2010-- e duas netas.

Haverá missa do sétimo dia hoje, em SP, às 15h, na igreja da Cruz Torta, e no Rio, às 16h, na paróquia Nossa Sra. da Conceição da Gávea.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página