Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/04/2011 - 13h59

OAB critica possibilidade de novo plebiscito sobre armas

Publicidade

MARIA CLARA CABRAL
DE BRASÍLIA

O presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Ophir Cavalcante, afirmou nesta quarta-feira ser contra a realização de um novo plebiscito sobre o porte de armas de fogo no país.

Presidente da Câmara diz ser contra plebiscito
Líder do PSDB defende chip em armas de fogo
Senado decide propor plebiscito do desarmamento
Ministra diz que armas legais contribuem com violência
Governo antecipa campanha do desarmamento
Sarney defende revisão no estatuto do desarmamento

Em sua opinião, a possibilidade "pode ser uma cortina de fumaça para desviar o foco dos reais problemas de segurança".

A discussão sobre o desarmamento voltou com força no Brasil após o massacre de 12 estudantes em Realengo, na zona oeste do Rio, na quinta-feira (7).

Ainda de acordo com o presidente da OAB, um novo plebiscito pode constituir "um desrespeito à vontade popular legitimamente expressada no referendo de 2005.

"Hoje se vive no Brasil uma verdadeira guerra civil urbana pela ausência de uma política clara, consistente e efetiva de combate à criminalidade e o tráfico de armas", afirmou Cavalcante, em nota.

Segundo o advogado, o governo precisa cuidar da questão da segurança pública como um "problema social macro".

Um novo plebiscito foi defendido pelo presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), mas não conta com o apoio do presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS).

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página