Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/05/2011 - 17h43

ONG estima que campanha do desarmamento arrecadará menos armas

Publicidade

DA AGÊNCIA BRASIL

O presidente da ONG Movimento Viva Brasil, Bene Barbosa, disse nesta sexta-feira que a nova edição da campanha do desarmamento terá uma participação menor.

Um mês após massacre, ministro lança campanha
Campanha promete indenização ágil e anonimato

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, lançou a campanha hoje, no Rio, com o slogan "Tire uma arma do futuro do Brasil". Prevista para começar em junho, a campanha foi antecipada após o massacre na escola Tasso da Silveira, em Realengo, onde 12 adolescentes foram mortos por um ex-aluno.

Nas edições anteriores, em 2003 e 2008, foram entregues, respectivamente, 460 mil e 40 mil armas. Para Barbosa, porém, que todos os que tinham armas para entregar já tomaram a atitude nas outras duas edições.

Ele se disse descrente com o sucesso da campanha deste ano. "Eu acho que a população não precisa ser desarmada. Quem precisa ser desarmado é o criminoso", afirmou. Barbosa disse que o desarmamento da população só traz mais segurança ao criminoso.

"Quando se fala em desarmar o cidadão de bem, você está dando mais segurança ao criminoso que tem certeza de que não vai encontrar alguém que possa reagir", disse, em entrevista à "Rádio Nacional".

Barbosa também enfatizou que o Estatuto do Desarmamento é muito eficaz para evitar que o cidadão compre armas de fogo legalmente. "O processo de compra de uma arma pode levar até oito meses", disse.

Além disso, segundo o presidente, o cidadão que quiser comprar uma arma tem que fazer teste psicológico, teste prático demonstrando que sabe atirar e não pode estar respondendo a nenhum tipo de processo na Justiça.

O Movimento Viva Brasil firmou-se nos últimos anos como a principal associação em defesa da utilização de armas por civis.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página