Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/06/2011 - 00h10

José Paciulli (1921-2011) - Foi da 1ª legislatura de Americana

Publicidade

ESTÊVÃO BERTONI
DE SÃO PAULO

Em 1954, José mandou botar nos jornais o seguinte anúncio: "Vote José Paciulli, na certeza de ter escolhido um candidato digno". Ele era deputado estadual e tentava a reeleição. Não a conseguiu.

Leia sobre outras mortes

Natural de São Paulo, aos dez anos se mudou para Americana (SP). O pai, italiano, foi um comerciante e industrial do ramo de tecidos.

Durante a Segunda Guerra (1939-1945), José serviu ao Exército, o que o levaria a criar, algum tempo depois, o Tiro de Guerra de Americana.

Na cidade, também ajudou a fundar um hospital e uma escola de comércio. Como contador, dava uma força nos negócios do pai.

Em 1941, pela PUC de Campinas, formou-se em direito. Três anos depois, casou-se com Amélia, contadora, com quem teve a única filha.

Ainda nos anos 40, meteu-se na política. Em 1948, assumiu como vereador pelo PDC (Partido Democrata Cristão), na primeira legislatura pós-Estado Novo de Americana.

A função não era remunerada, e ele lançou o slogan: "Vamos trabalhar por Americana, não por nós".

Segundo o irmão Oswaldo, José foi o primeiro deputado estadual (de 1951 a 1955) a se eleger pela cidade.

Trabalhou também como agente fiscal e lecionou por 43 anos na PUC de Campinas (SP), onde se aposentou. Escreveu e publicou livros de direito financeiro.

Era muito religioso, conta a família. Se viajava para o Guarujá, e tudo ocorria bem, assim que chegava ao litoral ia à igreja para agradecer.

Viúvo desde 1995, morreu na quarta-feira, aos 89 anos, de insuficiência renal. Teve três netos e três bisnetos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página