Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/09/2011 - 10h17

Ciclista faz percurso mais rápido que carro e moto em desafio

Publicidade

CRISTINA MORENO DE CASTRO
DE SÃO PAULO

Da movimentada avenida Luís Carlos Berrini, zona sul de São Paulo, foi dada a largada: a motorista, o motociclista, os ciclistas, os usuários de transporte público e os pedestres saíram lado a lado, em direção à prefeitura, no centro, a cerca de 10 km dali.

O primeiro a chegar, em 22 minutos e 50 segundos, não estava motorizado: foi o ciclista Wagner de Carvalho, 40, que trafegou apenas por vias rápidas. Pouco mais de cinco minutos depois, chegou Willerson Caetano, 29, que estava de moto.

A sexta edição do Desafio Intermodal, ocorrido às 18h de ontem, quando o congestionamento na cidade batia os 116 km, tinha como objetivo mostrar a melhor forma de fazer o mesmo trajeto na hora de pico. O evento é parte da programação do Dia Mundial Sem Carro, comemorado amanhã.

A bicicleta ganhou pela quarta vez. Em outras duas edições, o primeiro a chegar foi o motociclista. "É que o trânsito está tão congestionado que a moto não passa nem no corredor de carros. Tem lugares em que só a bicicleta, por ser mais estreita, consegue passar", diz Felipe Aragonez, diretor-geral do Instituto CicloBR, organizador do evento.

Joel Silva/Folhapress
Empresário Wagner de Carvalho chega com sua bicicleta em frente a prefeitura depois de sair da av. Berrini
Empresário Wagner de Carvalho chega com sua bicicleta em frente a prefeitura depois de sair da av. Berrini

Outra explicação é que também é computado o tempo que candidato leva para achar uma vaga e estacionar. Já o ciclista pode carregar a bike até o ponto de chegada.

Edméa Dantas, 45, que foi dirigindo um carro, gastou 1 hora e 14 minutos no percurso. Ela só ganhou de Valdson Silva, 37, que foi caminhando, e de Nataly Gonçalves, 33, que usou trem e ônibus.

"Vi vários ciclistas e pedestres passando por mim, e eu ali, parada na Bandeirantes", disse Edméa. André Leme, 43, que fez o trajeto correndo, reclama da má qualidade das calçadas e do desrespeito ao pedestre.

"Tem que ficar parado, esperando, e tem motorista que olha pro outro lado pra fingir que não viu o pedestre." Ele concluiu o percurso em 1h01.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página