Descrição de chapéu Obituário José de La Peña Neto (1948 - 2019)

Mortes: Jornalista, pautou a educação de crianças carentes

Por 15 anos, José de La Peña Neto realizou trabalho assistencial com crianças das comunidades do Rio

Patrícia Pasquini
São Paulo

Um ser humano amoroso movido por três paixões: filhos, netos e o trabalho. Dessa forma a psicóloga Luciana de La Peña, 41, descreve o pai, o jornalista José de La Peña Neto, que morreu no dia 15 de agosto, aos 71 anos, de infarto.

A cada intervalo diário que a profissão permitia, La Peña grudava nos filhos e nos netos. “Meu pai gostava de dizer que todo mundo se parecia com ele”, recorda Luciana.

Além do jornalismo, o samba corria pelo seu sangue. Ele foi um dos fundadores do Clube do Samba, no Rio de Janeiro, e tornou-se amigo do cantor e compositor João Nogueira.

Intenso na profissão, La Peña escrevia com a mesma facilidade com que respirava. “Ele nasceu para o jornalismo. Meu pai contava para todo mundo que, quando entrou no Jornal do Brasil, o chefe perguntou se iria trabalhar por diletantismo ou vocação. Ele disse que era por vocação porque não sabia o significado de diletantismo”, conta.

Além do Jornal do Brasil, o jornalista passou pela Tribuna da Imprensa e pela sucursal da Folha de S.Paulo, no Rio, onde durante cerca de quatro anos escreveu as crônicas de carnaval (década de 1980).

La Peña também foi um homem preocupado com a educação de crianças carentes. Durante 15 anos, manteve o projeto Monte Castelo Social, pelo qual ajudava crianças e famílias de algumas comunidades do Rio de Janeiro com cesta básica, material escolar, uniforme, mochila e tratamento de saúde.

O jornalista José de La Peña Neto nasceu e viveu no Rio de Janeiro. Ficou um mês no Hospital Pró-Cardíaco. No dia que teria alta, seu quadro de saúde piorou e ele não resistiu. Deixa três filhos e dois netos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.