Descrição de chapéu Obituário Cabeto Pascolato (1961 - 2019)

Mortes: Levou o rock na veia e o planeta no coração

Cabeto Pascolato foi um dos principais ativistas do veganismo

Patrícia Pasquini
São Paulo

A cena musical e vegana de Campinas (93 km de SP) perdeu o músico e produtor cultural Cabeto Pascolato —conhecido como Cabeto Rocker—, 58. 

Apaixonado por artes e cultura, Cabeto nasceu em Bauru (329 km de SP), mas chegou a morar no Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

Atualmente, residia em Barão Geraldo, distrito da região metropolitana de Campinas, onde morreu no dia 18 de agosto. A causa da morte está sendo investigada pela vigilância epidemiológica da cidade, mas os indícios são de febre maculosa ou dengue hemorrágica.

Versátil, criativo e apaixonado pela vida, Cabeto preservava o espírito solidário e generoso. 

“Considerado por todos como um entusiasta do veganismo, ele também ia além do que poderia para defender os animais e o meio ambiente”, conta o irmão Giba Pascolato, 56. 

Em 2015, Cabeto trabalhou no resgate dos porcos que se feriram no tombamento de uma carreta no Rodoanel, em SP.

Ele e o irmão Giba movimentaram a cena roqueira campineira quando estiveram a frente da banda O Bando, pela qual gravaram três álbuns e fizeram turnês nacionais e internacionais.

Em 2000, o grupo resolveu parar, mas o espírito roqueiro de Cabeto continuou vivo e ganhou a força do veganismo. No mesmo período, ele conheceu a atual esposa, a ambientalista Maria Castellano, e mergulhou de vez no movimento vegano, tornando-se um ativista. 

Em Campinas, o casal fundou um restaurante vegano com espaço para a realização de eventos, outra atividade que gostava de desempenhar. Cabeto Pascolato deixa seis irmãos, a esposa e uma filha.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.