Descrição de chapéu Obituário Carlos Moraes (1941 - 2019)

Gaúcho, trocou a batina pelo jornalismo

Carlos Moraes morreu aos 78 anos em São Paulo

São Paulo

Após anos dedicados à religião, Moraes decidiu trocar a batina pelo jornalismo. Havia sido preso durante o regime militar e buscava uma nova carreira. Mudou-se do Rio Grande do Sul, onde nasceu, para São Paulo na década de 1970, e foi até a hoje extinta revista Realidade oferecer uma reportagem: “Sou Padre e Quero Casar”.

“Na época, foi muito revolucionário. Era um texto autobiográfico e um estudo sobre a situação do clero naquela época”, conta o jornalista José Hamilton Ribeiro, editor da revista no período. Meses depois, publicou outra: “Sou Padre e Quero Desquitar”. 

No jornalismo, Moraes trabalhou também como editor das revistas Psicologia Atual e Ícaro Brasil. 

Carlos Moraes (1941-2019)
Carlos Moraes (1941-2019) - Reprodução

Dedicou-se também à literatura. As obras “A Vingança do Timão” (vencedora do prêmio Jabuti em 1981), “Agora Deus Vai Te Pegar Lá Fora” (sobre o período em que foi preso político) e “O Lobisanjo”  foram algumas das principais. 

Recentemente, concluiu um novo livro, “Em Busca do Primeiro Jesus”. “Ele dizia que Jesus havia se transformado em mercadoria, quase uma franquia”, conta Hamilton Ribeiro. 

O humor e a erudição eram traços marcantes. No tempo livre, gostava de viajar para o Chile, onde os filhos e netos vivem, e Boiçucanga, praia no litoral de São Paulo onde tinha uma casa com vista para a mata atlântica. 

Morreu no dia do aniversário de 78 anos, em decorrência de uma embolia pulmonar. Deixa dois filhos, três netos e a esposa.
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.