Fora da 'regra', filha de taxista e cabeleireira vai da rede pública à faculdade

Só 4 em 10 estudantes na rede pública miram um diploma de graduação

Foto da aluna Rubia Arruda
Rubia Muniz Arruda, 18, aluna do segundo semestre de administração do Insper - Alberto Rocha/Folhapress
Érica Fraga
São Paulo

Embora tenha feito todo o ensino básico em escolas públicas, Rubia Muniz Arruda, 18, sempre acreditou que chegaria ao ensino superior.

Em 2017, ingressou na faculdade, fronteira que nem o pai, taxista, nem a mãe, cabeleireira, haviam cruzado.

Depois de fazer um cursinho dos alunos do Insper para jovens de baixa renda, passou no vestibular da própria instituição. Com bolsa integral, estuda administração de empresas na faculdade privada.

Antes, Rubia já havia cruzado outras fronteiras marcantes. Participou de uma competição na Índia, após ser premiada na Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras, no Brasil. Conseguiu uma bolsa para um curso curto na Universidade Yale, nos EUA.

Esteve na Colômbia, onde foi premiada pelo aplicativo We-Sci, que criou com colegas. A invenção, que busca divulgar várias olimpíadas, recebeu incentivo da Prefeitura de São Paulo para ser desenvolvido.

Reportagem da Folha mostra que apenas 4 em cada 10 alunos brasileiros de 15 ou 16 anos que frequentam escolas públicas esperam concluir um dia o ensino superior convencional —com, no mínimo, quatro anos de duração— ou uma pós-graduação. Entre os estudantes da rede privada, a relação salta para quase 7 em 10.

Esse retrato emerge dos questionários que os adolescentes do país preencheram ao realizar o último Pisa, teste internacional de aprendizagem, em 2015, segundo levantamento inédito do Iede (Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional).

Rubia foi numa linha oposta e não se queixa das quatro horas de ônibus diárias para ir de Pirituba, na zona norte de São Paulo, onde vive com a família, até o Insper, na Vila Olímpia, na zona oeste. Segundo ela, o incentivo dos pais foi crucial. “Para quem não tem uma estrutura familiar boa, é muito mais difícil.”

Nesses casos, a responsabilidade da escola é dobrada, opina a estudante. O problema, em sua visão, é que as escolas públicas, muitas vezes, não vão além do “básico”. “Eu recebi apoio dos professores no ensino fundamental, mas não havia incentivo para irmos além.”

Por acreditar que poderia ir mais longe, Rubia prestou prova para uma instituição de ensino técnico e passou. Lá, ficou sabendo das oportunidades que mudariam sua vida.“Se o aluno não tem incentivo familiar para estudar, ele vai buscar isso na escola. Não encontrar isso na escola é uma grande frustração.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.