Ala evangélica na Câmara se diz 'contempladíssima' por Vélez na Educação

Futuro ministro foi anunciado por Bolsonaro nesta quinta-feira (22)

Angela Boldrini
Brasília

Membros da bancada evangélica da Câmara afirmam estar “contempladíssimos” pela escolha do colombiano Ricardo Vélez Rodriguez para o Ministério da Educação. 

“Nós estamos contempladíssimos com a escolha”, afirmou à Folha o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), um dos aliados próximos do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

A opinião é ratificada pelo presidente da frente parlamentar evangélica, Takayama (PSC-PR). “Se fosse para dar uma nota de 0 a 100 para o Bolsonaro, daríamos 100”, disse.

Ricardo Vélez Rodríguez, futuro ministro da Educação
Ricardo Vélez Rodríguez, futuro ministro da Educação - Reprodução/Facebook

Eles negaram que a frente preferisse o nome do procurador evangélico Guilherme Schelb, que foi ventilado nesta quinta-feira (22) como uma possibilidade, após a bancada vetar a nomeação de Mozart Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna. “Nós não fizemos nenhuma indicação. Nós temos uma relação próxima com o Schelb porque ele é evangélico, mas se ele agrada, o Vélez agrada também”, afirmou Sóstenes. 

De acordo com Takayama, o veto da bancada, uma das bases de sustentação de Bolsonaro na Câmara e que tem como uma de suas pautas centrais a defesa do projeto Escola sem Partido, o veto ao nome de Mozart se deu por questão de valores. “Nós não temos nada contra ele, acho que é uma pessoa tecnicamente preparada, mas é uma questão dos valores que nós queremos para o Brasil”, disse. 

Mozart é tido como moderado entre funcionários do ministério, mas para os evangélicos não seria alinhado com o Escola sem Partido. 

De acordo com o presidente da comissão que analisa o projeto na Câmara, Marcos Rogério (DEM-RO), o nome de Vélez pegou integrantes da bancada de surpresa. Ele diz, no entanto, que acredita que ele seja alinhado com Bolsonaro e, portanto, com o texto do Escola sem Partido. 

“O MEC até aqui sempre teve linha contra o Escola Sem Partido, mas estamos passando por uma mudança de governo e os ministérios devem se alinhar ao governo. Você não pode ter um presidente que tem uma linha e ministros que têm outra”, afirmou.

Indicado como ministro da Educação, Rodríguez é formado em filosofia pela Universidade Pontifícia Javeriana e em teologia pelo Seminário Conciliar de Bogotá. Foi professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG) até 2013. Nascido em 1943, ele é autor de livros como "A Grande Mentira - Lula e o Patrimonialismo Petista" (Vide Editorial).

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado em versão anterior deste texto, o futuro ministro da Educação Ricardo ​Vélez Rodríguez não é professor da Universidade Federal de Juiz de Fora. Ele atuou na instituição por 28 anos, mas encerrou seu vínculo em 2013.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.