Medicina na USP tem 115 candidatos por vaga; veja locais de prova da Fuvest

Prova da primeira fase ocorre no dia 25 de novembro; Unicamp cai neste domingo (18)

São Paulo

O curso de medicina da USP (Universidade de São Paulo) é mais uma vez o mais concorrido no vestibular da Fuvest. A fundação que organiza o exame também divulgou nesta sexta-feira (16) os locais de prova da 1ª fase, que ocorre no dia 25 de novembro.

Quem concorre a uma vaga em medicina em São Paulo vai enfrentar uma disputa de 115,2 candidatos por vaga. O mesmo curso em Ribeirão Preto e em Bauru aparecem na sequência na lista dos mais concorridos, com 108,7 e 86,9 candidatos para cada vaga, respectivamente.

Neste processo seletivo, há 127.786 inscritos, incluindo treineiros (estudantes que ainda não formarão no ensino médio neste ano). Eles disputam, pela Fuvest, 8.362 vagas distribuídas em 183 cursos de graduação. 

Outras 2.785 vagas na USP são oferecidas via Sisu (Sistema de Seleção Unificada), do Ministério da Educação. O Sisu agrupa as vagas de instituições públicas que adotam o Enem como forma de ingresso.

Para conhecer o local de prova, clique aqui.

O vestibular da Fuvest traz uma novidade neste ano. Os candidatos tiveram que escolher o perfil de vaga ao qual concorrrem, além do carreira: ampla concorrência (sem exigência de pré-requisito), escola pública (independente da renda) ou escola pública PPI (autodeclarados pretos, pardos e indígenas que, independente da renda, tenha cursado o ensino médio em escola pública).

Dessa forma, cada modalidade terá uma nota de corte segregada. O sistema é similar ao adotado pelo Sisu e reflete um esforço de a universidade conseguir garantir índices de inclusão de alunos oriundos da rede pública. 

Com isso, a Fuvest extinguiu o sistema de bonificação, chamado Inclusp, que era a aposta da universidade desde 2006 para aumentar a inclusão, mas cujos resultados se mostraram limitados. A USP foi historicamente contrária ao sistema de cotas, o que foi superado.

O mês de novembro é sinônimo de maratona para os vestibulandos. Na quinta-feira (15), houve o vestibular da Unesp. Nos dias 4 e 11 de novembro, ocorreu o Enem, porta de entrada para praticamente todas as universidades federais do país.

Ainda antes da Fuvest, está agendado para este domingo, dia 18, a prova de ingresso para a Unicamp. Os portões fecham às 13h e a organização da prova indica que os candidatos cheguem ao local de prova às 12 horas.

Para o ingresso em 2019, a USP reservará 40% de suas vagas, por curso, para estudantes de escola pública, considerando Fuvest e Sisu. Dentro dessa porcentagem, ainda incidem 37,5% de reserva de vagas para PPIs. 

A proporção de vagas reservadas aumentará nos próximos anos: no vestibular para 2020, deve ser 45%; no exame para 2021, finalmente 50%. 

Fases

O processo seletivo da Fuvest é dividido em duas fases. Na primeira, os estudantes terão que responder a 90 questões de conhecimentos gerais. Já na segunda fase, os estudantes responderão questões discursivas de língua portuguesa e, pelo menos, duas disciplinas específicas conforme o curso escolhido, além de uma redação.

A novidade é que a etapa discursiva de 2019 será mais enxuta: a prova será executada em dois dias e não mais em três. Os testes da segunda fase serão aplicados entre os dias 6 e 7 de janeiro.

Os estudantes dos cursos de artes visuais, artes cênicas e música terão ainda que responder a provas específicas. A lista dos aprovados será divulgada no dia 24 de janeiro.

Estão previstas ainda mais quatro convocações: 1º, 8, 15 e 22 de fevereiro. Os treineiros conhecerão seu desempenho na prova no dia 6 de fevereiro.

Unicamp

Para o vestibular da Unicamp, que ocorre neste domingo (18), estão inscritos no processo 76.312 candidatos. Eles concorrem a 2.589 vagas, em 69 cursos de graduação.

Esse número representa 80% das vagas regulares, já que a partir deste ano, o preenchimento dos outros 20% será feito por meio de edital específico utilizando a nota do Enem. 

A Unicamp também tem um programa de reserva de vagas e estreia neste ano um novo formato. A instituição adota um sistema de cotas étnico-raciais que reserva 25% das vagas disponíveis para candidatos autodeclarados pretos e pardos, vestibular exclusivo para indígenas, sistema de aproveitamento de desempenho em olimpíadas científicas e competições de conhecimento, além de manter o Profis (Programa de Formação Interdisciplinar Superior), voltado a estudantes da rede pública de Campinas.

Para conferir o local de prova da Unicamp, clique aqui.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.