Questão sobre nióbio, tema de Bolsonaro, prova isenção do Enem, diz professor

Reservas do metal foram defendidas em discurso do presidente eleito

São Paulo

Uma semana após críticas sobre uma pergunta sobre um dialeto de comunidades LGBTs no Enem, o exame nacional trouxe neste domingo (11), em seu segundo dia de provas, duas perguntas citando o nióbio e o grafeno. Reservas destes dois recursos foram defendidos em discursos feitos ao longo da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Candidatos no Enem foram às redes sociais destacarem a coincidência —as  questões da prova são feitas com meses ou até anos de antecedência. As análises de professores de cursinhos ouvidos pela Folha apontam desde coincidência a uma comprovação de que o Enem é apartidário. 

Para o professor de química Allan Rodrigues, do curso online Descomplica, o fato de duas questões terem citado o nióbio e o grafeno mostra a isenção da prova de questões partidárias. "Se alguém na semana passada achou que o Enem é ideológico ou partidário, fica essa prova de que ele não é. O Enem é uma prova que mostra o que a sociedade está discutindo", analisou.

Daniel Perry, coordenador pedagógico do Anglo, acha que os temas estarem na prova são uma coincidência. "Isso não indica uma politização da prova. Na maioria das vezes, a politização está nos olhos de quem vê. O Enem é uma prova bem elaborada, atual e técnica", diz.

Nelson Dutra, coordenador do Objetivo, concorda com a tese de que os temas terem aparecido são apenas uma coincidência. "A prova é preparada meses antes e as perguntas são testadas com alunos. Não dá para fazer uma prova desta magnitude a toque de caixa. Portanto, as questões não podem ser vistas como uma resposta à polêmica". 

O grafeno e o nióbio foram temas recorrentes dos discursos do presidente eleito Jair Bolsonaro. 

O Brasil é o maior produtor mundial de nióbio e, por isso, o metal tem sido apontado como uma possível fonte de dividendos para o governo. No entanto, sua função pode ser desempenhada por outros materiais, como vanádio e titânio.

Já o grafeno, apesar de suas potencialidades, ainda não chegou aos produtos eletrônicos que usamos no dia a dia, mas é praticamente um consenso na área que isso vai acontecer em alguns anos. O Brasil é um dos que mais rápido entrou na corrida para este desenvolvimento.

Bolsonaro criticou prova

Na última segunda-feira (5), Bolsonaro fez críticas ao Enem. Ele afirmou que na sua gestão o Ministério da Educação "não tratará de assuntos dessa forma". O presidente eleito disse até que em seu governo avaliaria a prova antes dela ser submetida aos candidatos. A medida confronta critérios técnicos e de segurança do exame.

Segundo Bolsonaro, perguntas da prova que envolvem LGBTs não privilegiam, nas suas palavras, “questões realmente voltadas ao que interessa”. “Não vai ter isso daí, vai ter perguntas sobre geografia, dissertação de história”, afirmou no pronunciamento mais recente.

Neste domingo (11), o ministro da Educação, Rossieli Soares, evitou comentar as críticas de Bolsonaro (PSL) a respeito da prova. “Nós não comentaremos as questões em si e cabe ao presidente eleito fazer a gestão do Brasil a partir do dia 1º de janeiro”, afirmou.

Para Bolsonaro, questões como esta, sobre o “pajubá” (o dialeto citado na questão do Enem), incentivam “brigas” e o intuito do seu governo será “pacificar pessoas que pensam diferente, que tenham opções diferentes”.

“Quer ser feliz com outro homem, vá ser feliz. Quer ser feliz com outra mulher, vá ser feliz. Mas não fique perturbando isso nas escolas, obrigando a criançada a estudar uma besteira que não vai levar a lugar nenhum”, disse.

Bolsonaro também afirmou que vai ser difícil escolher um ministro para a pasta da Educação e que o eleito por ele precisa “ter autoridade” e entender que o Brasil “é um país conservador”.

“Educação é um ministério complicado”, disse após afirmar que está “em vias” de anunciar, na próxima semana, nomes que comandarão as pastas do Meio Ambiente, da Saúde e das Relações Exteriores.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.