Descrição de chapéu Fuvest

Redação da Fuvest propõe reflexão sobre passado para entender presente

Segunda fase do vestibular da USP é realizada domingo (6) e segunda (7)

São Paulo

A segunda fase de provas do vestibular de 2019 da USP, iniciada neste domingo (6), abordou como tema de redação "A importância do passado para a compreensão do presente", de acordo com estudantes. 

O mote da prova de redação confirma a tendência do exame que privilegia abordagens amplas de assuntos atuais. No último exame da Fuvest, fundação responsável pelas provas da USP, os candidatos tiveram que discorrer sobre o tema "Devem existir limites para a arte?", baseado na exposição que causou furor em museu em Porto Alegre (RS), em setembro de 2017. 

Na ocasião, grupos se mobilizaram nas redes sociais para criticar a mostra "Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira", que acabou cancelada.

De acordo com a professora Vivian Cintra, do cursinho Poliedro, o tema da redação não pode ser encarado como surpresa após os debates levantados em relação ao incêndio no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em 2018. "A banca suscita, entre outros vieses, uma reflexão sobre o papel da memória para a sociedade."

A professora ressaltou também que o tema aponta para outra leitura. "É necessário ter cuidado com visões utilitaristas do passado, pois ele [passado] não necessariamente serviria de modelo para o presente."

Sobre o tema, Eduardo Lopes, professor de Redação do curso Anglo, disse que a maneira de propô-lo saiu da tradição da Fuvest. "Desta vez [questionava] de que maneira [o passado importa para o presente]. Não estava em discussão se contribui ou não."

"O problema é como ir não cair numa superficialidade do senso  comum. É encorajador, mas ao mesmo tempo vai deixar bem claro o grau de leitura e de criticidade de cada um", complementou.

A professora de português do cursinho Objetivo Viviani Xanthakos também afirmou que o assunto já era,  de certa forma, esperado. "O incêndio [no Museu Nacional] foi muito anunciado. Foi um tema muito adequado para os candidatos, afinal tem a ver com a importância da disciplina história."

Ela também disse que a partir do tema era possível fazer diferentes abordagens, como a defesa dos museus, a desvalorização da área ou de fatos históricos específicos. A professora destacou ainda os textos de apoio. "Eram acessíveis, não eram de filosofia ou muito abstrato, como Fuvest coloca às vezes."

Marcelo Pavani, coordenador pedagógico da Oficina do Estudante, disse que a prova surpreendeu pelos tipos de textos usados como suporte. "Eram temas atuais, que têm fazer parte do repertório do aluno, como feminismo, trabalho escravo, poesia, com a música de Chico Buarque no contexto da Ditatura [Militar]."

Neste domingo, os candidatos responderam também a questões discrusivas de português. Segundo estudantes, uma série de referências ao universo pop apareceram na prova.

Entre as mais comentadas, está a pergunta que citou a cantora norueguesa Aurora. Há também menções a uma questão que faz menção aos super-heróis da Marvel.  

Outra questão pediu ao candidato para diferenciar o sentido da palavra "homem" em dois textos, sendo um deles retirado de obra do socialista Karl Marx na qual a palavra era empregada para se referir ao conceito de humanidade. 

Uma das questões sobre literatura exigiu do candidato a leitura do romance "A Relíquia", de Eça de Queirós. "Não era possível responder à pergunta apenas a partir da interpretação de texto", disse a coordenadora de redação do cursinho Poliedro, Gabriela Carvalho. 

Este ponto também foi destacado por Pavani. "Era preciso não apenas conhecer o enredo, mas fazer comparações entre os vários livros. Isso é bem importante porque exige reflexão e maturidade intelectual bem sofisticada."

Nesses paralelos entre as obras, Sérgio Paganim, supervisor de linguagens do Anglo, destacou dois casos, a relação do patriarcado e matriarcado e a visão dos bois sobre os humanos e dos humanos sobre os bois.

Na parte de gramática, as questões trouxeram diferentes gêneros textuais, como uma charge da cartunista Laerte que tratava da influência da burocracia na vida moderna, meme, reportagens, propaganda, entre outros.

"Isso é muito útil para avaliar a capacidade de leitura do candidato do ensino superior", afirmou Paganim. Segundo Serginho Henrique, professor de português do curso e colégio Objetivo, a prova exigiu conhecimento em figuras de linguagem e sintaxe.

"A prova foi de médio para difícil. Em algumas questões os alunos conseguiam responder objetivamente, outras exigiam raciocínio", avaliou Henrique. Ele chamou a atenção também para a questão que pediu uma reflexão social sobre a escravidão. 

Nesse sentido, Paganim complementou que o apanhado de temas tratados reuniu também o papel histórico das mulheres na sociedade, a censura, os crimes cometidos por aqueles tidos como heróis, como os da Marvel, o valor das escolhas pessoais.

"Eles aparecem como pano de fundo, o que faz a prova um exemplo que, além de pedir recursos de linguagens, propõe reflexões que são temas para a vida em sociedade."

De acordo com a Fuvest, nesta segunda fase, cerca de 32 mil candidatos foram selecionados para concorrer a 8.362 vagas. O índice de abstenção neste ano foi de 7,7%, de acordo com a Fuvest. O percentual representa 2.700 candidatos ausentes. 

Ao contrário dos anos anteriores, em que a segunda fase da Fuvest era realizadas em três dias, em 2019 a prova será apenas no domingo e na segunda-feira. São aprovados para a segunda fase somente os candidatos que atingem a nota de corte na primeira fase, composta por questões de múltipla escolha.

Nesta segunda-feira (7), os candidatos irão ter os seus conhecimentos testados em disciplinas específicas, determinadas de acordo com o curso escolhido.

O resultado dos aprovados no vestibular da Fuvest será divulgado no dia 24 de janeiro no site da fundação.

O QUE MUDA NA PROVA DA SEGUNDA FASE DESTE ANO

Como era

  • Três dias de prova dissertativa, sendo: no primeiro, português e redação e, no segundo, todas as matérias do ensino médio. No terceiro, as específicas da carreira (até três)
  • Até três vestibulandos eram convocados por vaga (no ano passado, número foi de 2,4)

Como ficou

  • Antigo segundo dia foi extinto
  • Prova agora cobra, em dois dias: no primeiro, português e redação; no segundo, matérias específicas da carreira (que agora podem ser até quatro)
  • Quatro candidatos convocados por vaga
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.