Colégio Santa Cruz, em SP, tem renúncia coletiva de conselho após ingerência religiosa

Direção da escola, que tem Chico Buarque entre ex-alunos, diz que instituição não irá mudar

Angela Pinho
São Paulo

Com 67 anos de tradição pluralista e liberal, o Colégio Santa Cruz, em São Paulo, teve uma renúncia coletiva em seu quadro na segunda-feira (25).

Frequentada por filhos de profissionais liberais, empresários e banqueiros, a escola tem entre seus ex-alunos nomes como o cantor Chico Buarque, o cineasta Fernando Meirelles e o presidente do Banco Itaú Unibanco, Candido Botelho Bracher.

Bracher é um dos quatro signatários da carta de renúncia do Conselho de Administração do colégio apresentada na segunda-feira, ao lado do cientista Fernando Reinach, presidente do colegiado, do administrador Ricardo Belotti e do engenheiro Lair Krahenbuhl —com exceção do último, todos ex-alunos do colégio.

Fachada do colégio Santa Cruz
Fachada do colégio Santa Cruz - Alberto Rocha/Folhapress

A carta, à qual a Folha teve acesso, está relacionada a uma ação da atual gestão da Congregação de Santa Cruz, mantenedora do colégio, no sentido de aumentar sua ingerência no dia a dia e ampliar o caráter religioso da escola. A gota d’água para a renúncia foi a decisão de transformar o Conselho de Administração, que na prática geria o colégio há mais de 20 anos, em um órgão meramente consultivo.

Desde que irmãos americanos assumiram a liderança da congregação no lugar de padres canadenses, em 2010, havia o temor de que o Santa Cruz perdesse o caráter leigo, que faz com que seja procurado também por muitas famílias não católicas. Estima-se que cerca de 15% dos alunos sejam judeus.

Nas palavras de um integrante, é um colégio que forma cidadãos críticos com valores cristãos. Em outras palavras, trabalhos sociais são muito incentivados, mas o ensino religioso em si está pouco presente no dia a dia. Na década de 70, os padres canadenses eram professores de filosofia e apresentavam aos alunos autores como o filósofo existencialista Jean Paul Sartre (1905-1980).

A carta cita os padres fundadores do colégio. “A visão destes educadores religiosos e seu compromisso com valores humanistas contemporâneos deram forma à escola que há vários anos é reputada como das melhores do Brasil.”

Após citar a mudança na gestão da Congregação de Santa Cruz, motivada pelo decréscimo do ordenamento de padres, a missiva afirma que foi proposta aos irmãos a formalização do modelo vigente desde o início dos anos 2000. O colégio continuaria sendo gerido pelo conselho, que teria integrantes com mandatos fixos. Entre as atribuições do órgão, estão a escolha de ocupantes de cargos de chefia e a definição dos valores de mensalidades, entre outras.

"Embora acatando a proposta, após a incorporação, os irmãos de Santa Cruz no Brasil implantaram a partir de 2016 uma administração centralizada em Campinas e contrataram um grupo de executivos cujo papel é administrar as três escolas de maneira unificada”.

Além do Santa Cruz, a Congregação gere outros dois colégios no Brasil: o Notre Dame, em Campinas (SP), e o Dom Armando, em Santarém (PA).

Segundo a carta, na última reunião do Conselho de Administração, os irmãos comunicaram, ao contrário dessa sinalização, a decisão de transformar o colegiado em Conselho Consultivo. Nesse novo modelo, o conselho passaria a responder aos executivos em Campinas “e, em última instância, ao Conselho de Congregação composto unicamente por religiosos”, afirma o texto.

“Tendo representado os ideais dos padres fundadores junto à comunidade de pais, alunos e docentes, alguns de nós há mais de 20 anos, julgamos necessário tornar pública esta carta, como uma forma de prestação de contas e formalização da nossa renúncia.”

 

Por email, o diretor geral do Santa Cruz, Fábio Marinho Aidar, afirmou que "não há ou haverá mudanças nos princípios pedagógicos e pastorais do colégio".

"O Santa Cruz é uma escola católica pluralista aberta a todas as opções religiosas e seguirá oferecendo ensino humanista para formar cidadãos críticos e atuantes. As mudanças no Conselho Administrativo devem trazer renovação e importantes colaborações para a gestão da escola.”

Em circular enviada às famílias de alunos, a direção do colégio agradece aos integrantes que deixaram o colegiado em razão de “diferenças de pontos de vista em relação à natureza do Conselho (que é consultivo, de acordo com o estatuto da Congregação, e não deliberativo, como gostaria parte do Conselho)”.

Afirma que, em breve, serão anunciados os novos membros, que se juntarão aos atuais conselheiros: padre José de Almeida Prado, padre Robert Grandmaison, irmão Ronnie Lenno Farias Silva, Flavia Cristina Piovesan e Denise Aguiar Alvares.

"No mesmo sentido, destaco, ainda, trecho de carta da Congregação enviada ontem ao Conselho Administrativo: 'Os religiosos (padres e irmãos) de Santa Cruz no Brasil, por meio de seu Conselho de Distrito, entidade civil legalmente responsável pelas obras, reafirmam seu compromisso com o legado educativo das unidades e com a especificidade de cada uma, em seu percurso histórico, pedagógico e pastoral.”

O líder da Congregação de Santa Cruz no Brasil, irmão Ronaldo Almeida, reafirmou que o conselho já tinha natureza consultiva —ainda que não fosse assim na prática há mais de duas décadas. 

"Para total clareza, afirma-se aqui que são consultivos os Conselhos de todas as unidades educacionais e obras sociais que estão sob responsabilidade legal da Congregação de Santa Cruz, desta recebendo tratamento isonômico, em consonância com nosso programa de governança. Agradecemos a valiosa contribuição dos conselheiros", afirmou.

Ele disse ainda que não haverá mudança no projeto pedagógico "Os valores da Congregação de Santa Cruz estão solidamente constituídos desde sua fundação, há quase dois séculos. Estamos no Brasil há exatos 75 anos, primando por um trabalho de qualidade, reconhecido em todos os lugares onde marcamos nossa presença.  O Colégio Santa Cruz é um exemplo desse valor e desse reconhecimento."

Questionado no final de dezembro sobre rumores de que o colégio iria se tornar mais catequizante, Almeida havia afirmado por email: “O Colégio Santa Cruz é uma instituição educacional filiada à Congregação de Santa Cruz, cuja Missão sustenta-se em princípios humanistas e valores cristãos. Seu projeto pedagógico tem caráter pluralista, acolhendo estudantes das mais variadas profissões de fé. Aliás, não poderia ser de forma diversa, pois estamos no Brasil, um Estado laico. Com muita alegria, porém, oferecemos catequese, com caráter optativo e em horário extra aulas regulares, a todas as famílias que desejam que seus filhos aprofundem-se na fé católica, que é a que professamos.”

Sobre a linha pedagógica, afirmou que “os projetos pedagógicos das escolas de qualidade não são documentos estanques, escritos para serem esquecidos em pastas ou gavetas e retomados apenas anualmente para cumprir exigências burocráticas. Ao contrário, são dinâmicos e, portanto, estão em permanente movimento de construção e reconstrução. Nas escolas de Santa Cruz não é (e nem poderia ser) diferente. Nossos profissionais estão em constante contato com as áreas de conhecimento que embasam nossas propostas pedagógicas, atentos às inovações e perspectivas de aprimoramento.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.