Descrição de chapéu Nova Escola

Bem-estar do professor melhora o desempenho dos alunos

Pesquisador desenvolveu treinamento e propôs novo modelo de educação

Ana Carolina C D'Agostini
Nova Escola

Os índices de depressão ao redor do mundo aumentaram de maneira alarmante nos últimos 50 anos. A média de idade do primeiro episódio depressivo migrou da fase adulta para o início da adolescência. Pesquisas, como a de McLeod & Fettes, Trajetórias de Fracasso: O percurso educacional de crianças com questões de saúde mental e de Steinberg, A idade da oportunidade: lições sobre as descobertas científicas da adolescência, indicam que comprometimentos na saúde emocional dos adolescentes contribuem para desempenho acadêmico mais baixo, maior porcentagem de faltas, diminuição do autocontrole e maior taxa de evasão escolar. Além disso, outros estudos como o de Nidichi e um grupo de pesquisadores sugerem que a promoção de bem-estar em idade escolar é um fator de proteção contra a depressão na juventude e auxilia no desenvolvimento da criatividade, estimula a coesão social e maior senso de cidadania até a idade adulta. Tais evidências sugerem a necessidade de um modelo educacional que enfatize o bem-estar emocional dos estudantes, priorizando na mesma medida o conteúdo acadêmico.

Com base nesse cenário, o economista e psicólogo mexicano Alejandro Adler defende um novo paradigma para a Educação que contribua para o desenvolvimento integral do ser humano com base em estudos sobre a união entre bem-estar, educação, habilidades socioemocionais e políticas públicas com foco no professor. Para isso, ele desenvolveu uma pesquisa para a sua tese de doutorado na Universidade da Pensilvânia (Estados Unidos) propondo um modelo de Educação Positiva com ênfase no treinamento de professores em práticas de bem-estar que, consequentemente, têm impacto benéfico tanto na saúde emocional dos professores como na dos seus alunos. O trabalho de Adler, feito em escolas públicas do Butão, México e Peru, ao longo de três anos, teve amplo reconhecimento, se transformando inclusive em política pública educacional nesses países e tendo levado o pesquisador a atuar também como um dos membros do Comitê Internacional de Bem-Estar da ONU (Organização das Nações Unidas).

Com base na teoria de Martin Seligman, Adler desenvolveu um programa intensivo de 10 dias para o treinamento de professores com foco na promoção de bem-estar e na Educação Positiva, linha de pensamento baseada nos princípios da Psicologia Positiva. Tal modelo educacional, paralelamente ao aprendizado de conteúdos acadêmicos, enfatiza o uso das forças de caráter individuais, no trabalho das emoções positivas, e na motivação individual para reforçar o aprendizado. Somado a esses princípios, o cultivo e o aprendizado de práticas de bem-estar para alunos, professores e funcionários fazem parte de maneira intrínseca e instrumental do treinamento para, posteriormente, serem aplicadas no cotidiano escolar. Como exemplo, o currículo desenvolvido juntamente com o Ministério da Educação do Butão, país conhecido por medir o índice de Felicidade de sua população, incluiu dez habilidades “não-acadêmicas” no projeto pedagógico das escolas públicas. São elas:

  1. Mindfulness: prática de meditação cujo foco é a consciência dos próprios pensamentos, das emoções e do entorno;

  2. Empatia: ser capaz de identificar o que outras pessoas estão pensando ou sentindo;

  3. Autoconhecimento: saber reconhecer as próprias virtudes, limitações e objetivos;

  4. Manejo das emoções: identificar, compreender e ser capaz de manejar as próprias emoções;

  5. Comunicação: se comunicar de maneira ativa e construtiva;

  6. Relacionamento interpessoal:  desenvolver relacionamentos saudáveis com colegas e familiares;

  7. Pensamento criativo: desenvolver ideias inovadoras e aplicáveis;

  8. Pensamento crítico: contextualizar, aplicar, analisar, sintetizar e avaliar as informações disponíveis para estruturar as próprias crenças e ações;

  9. Tomada de decisão: escolher as melhores opções dentre as disponíveis;

  10. Resolução de problemas: acessar de maneira efetiva o que está disponível no ambiente para resolver questões práticas e teóricas.

Tais habilidades foram ensinadas aos professores ao longo do treinamento para que fossem incluídas nas disciplinas regulares ou ensinadas nas aulas do curso Treinamento de Habilidades para a Vida –  incluído na grade escolar.

O principal aprendizado que o pesquisador enfatiza é que práticas de bem-estar na escola devem ser incluídas na cultura escolar e propor mudanças pedagógicas, respeitando os princípios de cada instituição e os valores que guiam suas práticas. Incluir essas práticas no Projeto Pedagógico, como demonstram resultados de pesquisas consistentes, melhora não só os resultados acadêmicos, mas também os índices de bem-estar e as habilidades socioemocionais de professores, funcionários e alunos.

Ana Carolina C D'Agostini é psicóloga e pedagoga com formação pela PUC-SP e mestre em Psicologia da Educação pela Columbia University. Trabalha como consultora de projetos em competências socioemocionais e é consultora do projeto de Saúde Mental da Nova Escola.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.