Descrição de chapéu Vestibular no meio do ano

Entrevista e dinâmica de grupo renovam vestibulares

Faculdades apostam em ferramentas usadas por empresas para avaliar ética, comunicação e empatia dos candidatos

Dante Ferrasoli
São Paulo

Buscando identificar nos candidatos as chamadas soft skills (competências comportamentais), já valorizadas no mercado de trabalho, faculdades implementaram nos últimos anos processos seletivos diferentes da tradicional prova de múltipla escolha com redação.

Entrevistas nas quais os candidatos respondem e também formulam perguntas para os avaliadores e dinâmicas de grupo estão entre os métodos utilizados na segunda fase de alguns vestibulares.

“Queremos alunos dispostos a desenvolver essas habilidades para resolver problemas. Temos de identificar os que querem aprender a aprender”, diz Gisele Walczak Galilea, vice-coordenadora do curso de administração de empresas da FGV.

Tadeu da Ponte, 40, coordenador de processos seletivos do Insper
Tadeu da Ponte, 40, coordenador de processos seletivos do Insper - Alberto Rocha/Folhapress

A instituição implementou em 2017, para seu curso de administração, uma segunda fase que consiste num exame oral. É uma espécie de entrevista na qual o aluno é avaliado por professores da instituição não por conhecimentos teóricos, mas por suas competências comportamentais. 

Essa etapa vale 30% da nota total do no processo seletivo da instituição. 

Segundo Gisele, o perfil do aluno que ingressa na FGV mudou após a novidade. “Temos hoje um aluno mais questionador e participativo na sala. Tentamos colocá-lo como protagonista na resolução de problemas todo o tempo”, diz. 

No Insper, a experiência começou quando o instituto abriu seu curso de engenharia, em 2015. Para o vestibular de 2018, o modelo foi replicado em outras seleções.

Também na segunda fase, os postulantes passam por uma arguição oral, em que respondem a perguntas sobre temas polêmicos e são estimulados a formular questões para o avaliador. Além disso, há uma dinâmica de grupo.

“A gente nem nota como isso é esquisito, mas o único contato que um jovem geralmente tem com a instituição em que se graduará é uma prova. É muito pouco”, afirma Tadeu da Ponte, coordenador de processos seletivos da instituição. 

Ele ressalta que a iniciativa serve para que Insper e candidato conheçam um ao outro. Há, inclusive, uma etapa na qual os vestibulandos são recebidos pelos alunos de graduação e incentivados a construir algum objeto. 

No último processo, o item construído foi uma espécie de carrinho. Os vestibulandos não são avaliados nessa etapa do processo.

Da Ponte diz que ainda é cedo para estabelecer uma relação de causalidade, mas o índice de retenção de alunos cresceu após a implementação dos novos modelos —passou de 50% para 60%. A segunda fase vale 25% da nota do aluno no processo seletivo.

De olho nessas mudanças, cursinhos pré-vestibular se adaptam para preparar seus alunos. No CPV, há aulas e provas específicas para esses novos formatos. Existe, por exemplo, simulação das avaliações orais nos mesmos moldes daqueles usados nos processos seletivos. 

“Nós nos baseamos no histórico das avaliações. As simulações têm a mesma duração e o mesmo número de perguntas que costumam ser feitas nas provas. Isso é gravado para o aluno ver em casa e descobrir onde pode melhorar”, diz Paulo Lima, coordenador para FGV e Insper do CPV.

Segundo Lima, cerca de 70% dos aprovados do Insper no último ano passaram pelo CPV. Na FGV, o cursinho emplacou 178 de 200 alunos.

“Esse novo tipo de processo é muito positivo. Valoriza o aluno e sua capacidade de argumentação, requisitos que o mercado de trabalho cobra muito e que uma prova no papel não consegue medir”, diz.

No cursinho do Objetivo, há trabalho específico para quem almeja faculdades cujos vestibulares têm esse formato. São discussões sobre temas atuais nas quais os alunos devem dar e ouvir opiniões.

“Essa etapa é tocada por um professor de artes cênicas, e são trabalhadas competências como empatia e comunicação”, explica Vera Antunes, coordenadora do cursinho.

Einstein tem megavestibular com 128 avaliadores

O vestibular para o curso de medicina da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde do hospital Albert Einstein, que começou em 2016, tem uma segunda fase que mobiliza 128 avaliadores, além de atores. 

O processo busca avaliar as competências comportamentais dos 512 candidatos aprovados na primeira fase, que segue os moldes tradicionais de vestibular. Todos num só dia.

A avaliação é composta por múltiplas entrevistas (oito), num modelo que já é adotado em países como Canadá e Reino Unido.

“São baseadas em cenários diferentes da vida, cada um deles voltado para uma capacidade. Avalia-se ética, pensamento crítico, empatia, comunicação, etc...”, diz Durval Anibal Daniel Filho, coordenador acadêmico e responsável pelos vestibulares da instituição.

Cada uma das simulações, algumas delas com atores fazendo as vezes de colegas de classe ou de trabalho, sob a vista de um avaliador, leva cerca de seis minutos. Antes de iniciar o processo, o aluno tem dois minutos para ler sobre o cenário que encontrará.

O processo todo costuma levar cerca de uma hora e quinze minutos, e os alunos são divididos: 256 de manhã e 256 à tarde. Para que o conteúdo dos cenários não vaze, o primeiro grupo só é liberado quando o segundo também o é.

De acordo com Filho, o processo busca valorizar a espontaneidade do aluno. Discursos decorados que podem ter sido estudados à exaustão antes, então, não são recomendáveis. 

“Uma das coisas que buscamos é tentar vencer o treinamento que os cursinhos fazem e tentar fazer que o aluno não venha com discurso pronto. Quanto mais espontâneo o candidato for, melhor para ele”, diz Filho.

A segunda fase do vestibular do Einstein, que a partir desse ano só ocorrerá em dezembro, vale 25% da nota final e aprovará 120 alunos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.