Descrição de chapéu Palavra Aberta

Precisamos falar sobre educação midiática

Habilidades incluídas na BNCC criam oportunidades para que o combate às chamadas 'fake news' chegue às escolas

Patricia Blanco Mariana Mandelli
São Paulo

A aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) trouxe uma série de desafios para as salas de aula de todo o País, impactando diretamente o trabalho dos professores da educação básica. De modo geral, o documento, organizado em torno de competências, reforça a responsabilidade da educação como promotora de um ambiente informacional ético, respeitoso e responsável. 

0
Alunos participam de aula na Escola Municipal Olívia dos Santos Feierabend, na zona rural de Monteiro Lobato - Rafael Hupsel/Folhapress

Observando o texto de maneira mais específica, vemos que a parte dedicada à língua portuguesa traz um campo denominado jornalístico-midiático. O foco é formar os estudantes para os diversos usos da linguagem e para a participação na sociedade de maneira reflexiva e criativa. Ou seja, a avaliação crítica das mídias e a produção de textos em formatos diversos ganharam destaque na BNCC, não só no que diz respeito à esfera do jornalismo e da comunicação social, mas também em um contexto de participação cívica, da pesquisa e documentação científica e histórica, e da expressão artística.

Tudo isso tem um nome: educação midiática, termo ainda pouco difundido no Brasil. Em linhas gerais, a educação midiática é um conjunto de habilidades que precisam ser desenvolvidas pelas crianças e jovens para que possam ler informações de maneira reflexiva, produzir conteúdos com responsabilidade e, com isso, participar ativamente da sociedade.

Essa demanda não é nova, mas ganha mais urgência à medida que saber filtrar e dar sentido ao enorme fluxo de informação é um exercício diário, além de fator de inclusão ou exclusão social, já que a tecnologia ampliou consideravelmente a velocidade e o alcance da desinformação. 

Vivemos em uma era de “poluição informacional”, em que as chamadas “fake news” são as vilãs mais conhecidas - mas passam longe de serem os únicos atores maléficos. O ambiente de desinformação é bem mais complexo e envolve a dificuldade que temos para diferenciar os vários tipos de mensagens que chegam até nós. 

Diferenciar uma “fake news” de uma sátira, um boato, opinião, conteúdo patrocinado ou erro de reportagem está cada vez mais difícil. Isto porque não estamos surfando apenas uma onda de desinformação: estamos em meio ao que podemos chamar de tempestade perfeita. Basta olhar em volta para ver que houve uma mudança radical na forma como produzimos e consumimos informação. Se antes vivíamos a escassez, passamos a viver uma realidade em que somos todos produtores de conteúdo, que podem ser criados em ferramentas cada vez mais acessíveis. 

Tal situação não é exclusiva do Brasil. É uma preocupação global e, não à toa. Um estudo do MIT (uma das instituições de ensino mais prestigiadas dos Estados Unidos) mostrou que, no Twitter, informações falsas têm 70% mais chances de serem retuitadas do que as verdadeiras.

Os problemas gerados pela desinformação são muitos. Mas também são muitas as oportunidades de combatê-los. A hora é agora: se queremos jovens capazes de refletir sobre o conteúdo que consomem, de se expressar com responsabilidade e ter sua voz na sociedade, precisamos discutir educação midiática nas escolas.

Educar para a informação é educar para a vida em um mundo cada vez mais conectado. E, para isso, é fundamental o papel dos educadores. A partir de hoje, nesta coluna, discutiremos como a educação midiática pode ser tratada na sala de aula, trazendo insumos para você, professor, levar aos seus alunos e alunas esse tema tão fundamental para o futuro da cidadania no Brasil.

Patricia Blanco

Presidente do Instituto Palavra Aberta, entidade que lidera o EducaMídia, programa de educação midiática com foco na formação de professores e produção de conteúdo sobre o tema 

Mariana Mandelli

Coordenadora de comunicação do Instituto Palavra Aberta

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.