'Vocês têm que se virar', diz Weintraub a dirigentes de universidades privadas

Entidade havia perguntado sobre Fies; ministro também criticou uso da palavra 'educação'

Ana Carla Bermúdez
São Paulo | UOL

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, defendeu ostensivamente nesta quinta-feira (26) a autorregulação do setor privado. A declaração foi dada em evento organizado por um sindicato patronal das mantenedoras de ensino superior, onde ele também criticou o uso da palavra educação, a cor vermelha e os salários dos professores das universidades federais.

"O que o governo vai fazer por vocês? Nada. Vocês têm que se virar", afirmou o ministro ao iniciar sua fala no Fnesp (Fórum Nacional do Ensino Superior), evento organizado pelo Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior).

A fala foi recebida com silêncio na plateia, formada, em grande parte, por diretores e reitores de universidades privadas, além de professores.

Pouco antes, o presidente do Semesp, Hermes Ferreira Figueiredo, havia lançado o que chamou de "provocações ao ministro".

Ele questionou quais seriam as ações do MEC (Ministério da Educação) quanto a uma eventual cobrança de mensalidades em universidades públicas e para o financiamento estudantil após a crise do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).

"O Estado é tijolo, é uma invenção nossa, não faz nada por nós. Nós, brasileiros, é que saímos às ruas e fizemos que isso não virasse uma Venezuela", disse Weintraub.

Ao longo do discurso, o ministro jogou para o próprio setor privado a necessidade de elaboração de uma proposta "robusta" de reformas para implementação da autorregulação do ensino superior particular.

Após definir a si mesmo e ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) como liberais, o ministro afirmou aos presentes para aproveitarem essa "janela de oportunidades".

"A oportunidade é gigantesca. Vocês estão diante de um governo liberal", afirmou.

"Eu estou aqui para resolver rápido. Já passou um ano de governo. Façam autorregulação. O mercado financeiro tem BSM [órgão ligado à Bolsa de Valores de São Paulo e a Bolsa Mercantil de Futuros que supervisiona o funcionamento de ambas]. Se reúnam, vocês têm que se reunir e buscar a solução", disse.

Em tom de ameaça, no entanto, disse que quem "pisar fora da linha" vai falar com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

"Alguns de vocês já foram pegos", disse, rindo, em alusão à Lava Jato da Educação, anunciada para investigar supostas irregularidades em contratos do MEC. Em seguida, no entanto, afirmou que "a maioria é honesta".

Em sua fala, Weintraub também fez críticas ao PT e disse que o uso da palavra "educação" é fruto de "ideologização". Além de sugerir que o slogan do evento —"uma nova forma de pensar a educação"— fosse alterado para "uma nova forma de pensar o ensino", o ministro não poupou nem sequer o painel de cor vermelha colocado no palco.

"Podia mudar a cor daqui, verde e amarelo é bonito", disse. Weintraub, no entanto, usava uma gravata vermelha.

O tom agressivo do ministro, com uma série de críticas ao próprio setor privado, não foi bem recebido pelos presentes. Ao UOL, um diretor do setor classificou as colocações do ministro como "exageradas".

Rodrigo Capelato, diretor executivo do Semesp, disse que a entidade defende a criação de uma agência reguladora para avaliação do ensino superior, e não que o mercado se autorregule, como defende o ministro.

Segundo ele, o Semesp já enviou uma proposta ao MEC. "O que falta é talvez traduzi-la em uma proposta mais prática", afirmou.

"É uma agência reguladora, cujas regras vão ser feitas pelo próprio setor, pelos pares. Não há como você montar uma agência de acreditação, com todas as peças da avaliação, com gente de fora", defendeu.

A permissão de funcionamento das instituições de ensino superior, segundo ele, permaneceria sendo de responsabilidade do MEC.

'Zebra federal' e vermelho

No evento, Weintraub, também disparou críticas ao uso da palavra "educação", à cor vermelha e ao salário dos professores de universidades federais.

Ao falar sobre o que ele interpreta como "destruição" do país nos anos de governo do PT, Weintraub disse que isso aconteceu "porque temos lá no nosso 'mindset' um monte de ideias erradas".

"A começar por essa aqui, ó: educação", afirmou, apontando para o tema do evento, que é "Mudança de mindset: uma nova forma de pensar a educação".

Isso porque, para o chefe do MEC (Ministério da Educação), "quem educa é a família. A gente ensina". "Ensina a ler, ensina um ofício", disse.

Em seu discurso, o ministro voltou a dizer ser contrário à cobrança de mensalidade em universidades públicas. Desta vez, deu a justificativa de que "vai ser uma gritaria e não vamos chegar a lugar nenhum".

"Tem que ir atrás da zebra mais gorda", disse, dando o nome aos bois em seguida: "É o professor de uma federal, com dedicação exclusiva, que dá 8 horas de aula por semana e ganha em média de 15 a 20 mil reais por mês", declarou.

Para ele, a cobrança de mensalidades em universidades públicas seria uma "vitória de Pirro". Segundo o ministro, "o problema do ensino superior no Brasil é que a gente gasta uma fortuna em dinheiro com um grupo pequeno de pessoas".

A cor vermelha, tradicionalmente ligada a partidos de esquerda, também não foi poupada pelo ministro.

"Podia mudar a cor daqui, verde e amarelo é bonito", afirmou Weintraub ao apontar para um painel colocado atrás do palco que iluminava todo o ambiente com o tom.

Em meio à sua fala, Weintraub disse ter reconhecido um amigo seu rindo em meio à plateia. "Soltaram o Abraham do canil sem enforcador, agora vão ter que escutar", brincou o ministro.

Erramos: o texto foi alterado

A reportagem informava incorretamente que a BSM é a Bolsa de Valores, quando na verdade é um órgão ligado à Bolsa de Valores de São Paulo e à Bolsa Mercantil de Futuros que supervisiona o funcionamento de ambas. O texto foi corrigido. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.