MEC anula questão de ciências humanas do Enem 2019

Item já tinha aparecido no ano anterior no processo de aplicação para candidatos com deficiência visual

Brasília

O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) anulou uma questão da última prova do Enem 2019. O item já havia aparecido no ano anterior no processo de aplicação para candidatos com deficiência visual, segundo o órgão.

A questão anulada é da prova de ciências humanas. Trata-se do item 90 do caderno azul (78 no caderno amarelo, 66 no caderno branco e 72 do caderno rosa). Todos os participantes fazem a mesma prova, mas em ordem diferente a cada conjunto de provas.

O instituto, ligado ao MEC (Ministério da Educação), informou que a anulação do item "não compromete o processo de estimação da nota das participantes". O Enem é elaborado com a chamada TRI (Teoria de Resposta ao Item), conjunto de modelos matemáticos que garante, entre outras coisas, níveis de dificuldades comparáveis entre diferentes provas. 

O item anulado trazia um texto sobre fome e meio ambiente. O Inep identificou, somente nove dias depois do fim do Enem, que essa questão fez parte do caderno de questões Braile e Ledor da aplicação do Enem 2018 (questão 56 do Caderno Laranja).

"O caderno Ledor é preparado para os aplicadores que atuam como ledores para os participantes que, por algum motivo, solicitam auxílio para a leitura da prova como recurso de acessibilidade", diz nota do Inep. 

As questões que compõem as provas acessíveis podem sofrer ligeira alteração comparadas à prova de aplicação regular, diz o Inep.

"As provas do Caderno Braile e Ledor, por exemplo, contém a descrição de gráficos, imagens, esquemas e outros recursos visuais utilizados e questões que inviabilizam ou dificultam demasiadamente a compreensão por parte dos participantes com algum tipo de deficiência visual são substituídas".

Essa não é a primeira vez que itens do Enem são anulados. No ano passado, por exemplo, uma questão foi cancelada porque já tinha aparecido no vestibular de uma universidade federal em 2014.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.