Weintraub mira PT, esquerda e imprensa em intensa participação em redes sociais

Chefe do MEC minimiza educação e amplifica celeumas no Twitter, seu canal favorito

Brasília

“Meu twitter, minhas regras”, anuncia a conta do ministro da Educação, Abraham Weintraub, em sua rede social predileta. Com base em suas publicações, a diretriz ali é clara: ataques ao PT, críticas à imprensa e arroubos ideológicos têm mais destaque do que seu tema de trabalho.

De certa forma, foi o Twitter que deu Weintraub à luz como pessoa pública. Foi nessa rede que seu nome foi anunciado como titular do Ministério da Educação, em 8 de abril, e foi essa rede que se tornou o principal canal de comunicação do ministro, como já ocorria com o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados. 

Do chefe, Weintraub emulou o tom combativo, o mesmo dos Bolsonaros-filhos.

Segundo dia da Conferência conservadora Cpac. Na foto, o ministro Abraham Weintraub
Segundo dia da Conferência conservadora Cpac. Na foto, o ministro Abraham Weintraub - 12.out.2019 - Bruno Santos/Folhapress

A Folha analisou 444 mensagens publicadas em sua conta desde quando tomou posse até as 10h de sexta (22), excluindo respostas a outros tuítes. 

Quatro em cada dez mensagens trazem ataques, sejam ao PT (citado 41 vezes), sejam à esquerda, sejam à imprensa —a Folha foi criticada 11 vezes, e a Rede Globo, 29.

Em um terço das mensagens (147), o ministro trata apenas de educação, sem ataques ou rompantes ideológicos. 

Sem experiência no debate de políticas públicas para sua área, Weintraub integra a ala mais ideológica da Esplanada, ao lado de Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

 

Quando questionado pela imprensa sobre o comportamento na rede, o ministro diz que a conta é pessoal e não reflete a posição do MEC —com a qual o tom adotado, não raro, se mostra incompatível.

No último dia 15, por exemplo, Weintraub produziu uma avalanche de publicações em defesa da monarquia, no dia em que se celebrava a Proclamação da República. 

Após uma internauta dizer que ele, na monarquia, seria o bobo da corte, o ministro rebateu: “Prefiro cuidar dos estábulos, ficaria mais perto da égua sarnenta e desdentada da sua mãe”.

O post foi apagado.

Em entrevista na última terça (19), Weintraub minimizou o barulho nas redes sociais. “Em vez de perguntar disso [ações promovidas pelo MEC], pergunta de Twitter. Eu acho uma coisa pequena”, reclamou o ministro. Na ocasião, ele negou que deixaria o comando do ministério em razão da acidez de suas postagens.

Na batalha de tuítes, o ministro ganhou notoriedade ao publicar, em 3 de maio, um vídeo em que exibia o ombro para mostrar uma cicatriz da juventude. Foi a forma de justificar notas baixas no boletim da faculdade, divulgado por detratores em redes sociais.

No dia 30 ainda daquele mês, surgiu com guarda-chuva, dançando, para dizer que eram mentirosas as notícias sobre cortes na pasta. “Está chovendo fake news”, dizia.

Aludia a bloqueios que vão da creche à pós-graduação e ao fato de a pasta ter sofrido corte de R$ 926 milhões. Os recursos bancaram emendas parlamentares negociadas na reforma da Previdência.

Hoje, o ministro que era desconhecido da população e do meio político até abril acumula 381,2 mil seguidores na rede.

Não sem um intenso trabalho de construção de sua persona pública ali, para a qual foi produzido um logotipo com seu nome (a pasta informou que a marca foi produzida por um amigo) e que experimenta frequentes trocas de avatar (a imagem pessoal que acompanha a conta) conforme a onda do momento. E, claro, a beligerância crescente.

Em junho, até sobre a apreensão de drogas levadas por um militar em avião de comitiva presidencial ele opinou: “No passado o avião presidencial já transportou drogas em maior quantidade. Alguém sabe o peso do Lula ou da Dilma?”, escreveu. O tuíte rendeu procedimento na Comissão de Ética da Presidência. 

Quatro publicações de agosto atacaram o presidente da França, Emmanuel Macron, que criticara as queimadas na Amazônia. “Ferro no cretino do Macrón [sic], não nos franceses”, escreveu sobre o líder francês, a quem chamou de “calhorda oportunista”.

Mesmo quando fala de educação, o tom se mantém. O educador Paulo Freire, intelectual brasileiro mais citado em pesquisas no exterior, já foi atacado 11 vezes. 

No dia 17 de outubro, Weintraub escreveu: “Olhando pela janela, vejo a lápide da educação em frente ao MEC e penso: achava impossível, mas Paulo Freire visto do alto é ainda mais feio. Ao menos o MEC já está decorado para o Halloween (dia das bruxas)”.

A atitude de confronto não é espontânea. A interlocutores, Weintraub expõe que, ao chegar ao cargo, decidiu agir como o oponente que está com a granada na mão, sem o pino. 

A frase indica a tática de se posicionar sempre um tom acima diante de ataques e questionamentos. Ele também diz com orgulho que virou referência da nova direita.

Se a conta é pessoal, ela não deixa de pertencer a um homem público, aponta o cientista político Marco Antonio Carvalho Teixeira, professor FGV-SP. “Todo mundo espera de alguém que esteja no Ministério da Educação uma postura pública equivalente à função do ministério e uma linha de diálogo construtivo”, diz. 

Para Teixeira, não há, desde a redemocratização, um ministro tão “enfático ou mesmo agressivo no uso de algumas palavras”, principalmente contra adversários. 

Weintraub, que é professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), também mira as universidades federais. Em entrevista gravada, divulgada nesta semana, disse haver “plantações extensivas de maconha” e alegou que laboratórios de química seriam usados para fabricação de drogas sintéticas.

No início da noite desta sexta, voltou ao Twitter, citando dois casos específicos de operações policiais em duas universidades federais contra plantio de maconha e produção de drogas sintéticas. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.