Presidente da Câmara diz que ministro da Educação é um desastre

Rodrigo Maia (DEM-RJ) classificou como ineficiente a gestão de Abraham Weintraub; ele também amenizou críticas feitas anteriormente ao ministro do Meio Ambiente

São Paulo

O presidente da Câmara, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta quinta-feira (30), que é necessário estabelecer as diferenças entre os ministros Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e Abraham Weintraub, da Educação. 

Na quarta, Maia fez críticas a ambos durante o Latin America Investment Conference 2020, promovido pelo banco Credit Suisse, em São Paulo.

Brasília, 19 de dezembro de 2019. Presidente da Câmara dos Deputados, dep. Rodrigo Maia concede entrevista. Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, durante entrevista, em Brasília (19/12/2019) - Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Nesta quinta, ele baixou o tom em relação ao titular do Meio Ambiente. Sobre o trabalho de Weintraub, porém, Maia manteve a avaliação de que a Educação vai mal e que as consequências serão longas.

Maia participou de um debate sobre a agenda econômica, promovido pelo CLP – Liderança Política, em São Paulo.

“O ministro da Educação atrapalha o Brasil, atrapalha o futuro das nossas crianças, está comprometendo o futuro de muitas gerações. A cada ano que se perde com a ineficiência , com discurso ideológico, com a péssima qualidade na administração, [isso] acaba prejudicando os anos seguintes da nossa sociedade”, afirmou, após debate sobre a agenda econômica.

A relação entre Maia e Weintraub piorou no final do ano passado, com a exoneração de Rodrigo Dias do cargo de presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Dias havia sido indicado pelo presidente da Câmara.

Ainda segundo o político, o ministro Ricardo Salles, de fato, radicalizou no ano passado, estremecendo as relações com entidades do setor. Ainda assim, Maia avaliou o ministro como um quadro de muita qualidade.

“Apenas acho que como ele conduziu no ano passado, para ele restabelecer essa relação não será simples”, disse.

O ministro do meio ambiente Ricardo Salles durante entrevista coletiva em Brasília sobre o Conselho da Amazônia - Andre Coelho/Folhapress

“Então, não é uma crítica ao ministro, mas uma crítica se ele vai saber dialogar com os segmentos.”

Já o ministro da Educação, para o presidente da Câmara, seria um desastre. “Acho que ele brinca com o futuro de milhares de crianças, mas, se vai demitir ou exonerar, isso não é problema meu.”

​Maia também afirmou que suas avaliações sobre a qualidade dos ministros não deveriam ser entendidas como críticas ao presidente Jair Bolsonaro, com quem diz ter atingido um ótimo relacionamento.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.