Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro anuncia Carlos Decotelli, ex-presidente do FNDE, para Educação

Seu nome foi divulgado nesta quinta nas redes sociais do presidente

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou o ex-presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) Carlos Decotelli, 67, para ser ministro da Educação.

Decotelli, oficial da reserva da Marinha, vai suceder Abraham Weintraub, que foi demitido da pasta na semana passada após uma série de desgastes com o STF (Supremo Tribunal Federal).

É o primeiro ministro negro do governo Bolsonaro e o terceiro ministro da Educação.

Ao anunciar sua escolha, Bolsonaro disse que o novo ministro é "bacharel em Ciências Econômicas pela UERJ, mestre pela FGV, doutor pela Universidade de Rosário, Argentina e pós-doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha".

Carlos Decotelli, novo ministro da Educação, ao lado de Ricardo Velez Rodriguez, titular da pasta - Pedro Ladeira/Folhapress

"Eu estava dando aula ontem, tive aula, e fiz hoje a reunião. Fui pego de surpresa", disse Decotelli em entrevista à CNN Brasil, após a confirmação de seu nome.

"O que ele [Bolsonaro] pontuou foi, primeiro: fazer uma gestão voltada para a educação da sociedade brasileira, conforme o marco regulatório da educação. Em segundo lugar, fazer o melhor diálogo com as entidades representativas da educação —as universidades federais, os centros técnicos. Melhor diálogo também com entidades de classe. Todos aqueles que querem fazer o melhor pela educação brasileira", completou.

O nome de Decotelli foi indicado pela cúpula militar, em uma sugestão dos almirantes do governo. Ele também contou com o apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, com quem atuou no passado no IBMEC (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais).

O almirante Flavio Rocha (Secretário de Assuntos Estrategicos) teve papel essencial na aproximação do novo ministro com o presidente.

Bolsonaro conversou nesta quinta com Decotelli e o convidou para o ministério.​ ​Foi escolhido em um contraponto à defesa do grupo ideológico por um nome olavista para a função que tivesse afinidade com Weintraub.

A expectativa do Planalto é de que ele distensione as relações do MEC com o Congresso e o Judiciário. Entre suas missões estão a realização do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e a aprovação da proposta sobre o Fundeb permanente.

Outra tarefa será conduzir o papel do MEC na reabertura das escolas fechadas com a pandemia do coronavírus. O tema tem sido uma prioridade de Bolsonaro.

O novo auxiliar atuou na equipe do presidente durante a transição de governo. Com a nomeação, ele será o 11º ministro militar do atual governo.

Decotelli é considerado de perfil conciliador e moderado por pessoas próximas. Ele comandou o FNDE de fevereiro de 2019 até agosto do ano passado.

A nomeação, nas palavras de auxiliares presidenciais, foi um aceno do presidente a um discurso de pacificação com os demais Poderes.

Desde a semana passada, após perder apoio nas redes sociais, Bolsonaro moderou o tom e começou a fazer gestos de aproximação ao Legislativo e ao Judiciário.​

A pouca experiência política do novo ministro, contudo, é vista com ressalvas por deputados bolsonaristas. Segundo eles, Decotteli tem pouca interlocução, por exemplo, com a frente parlamentar da educação.

No meio educacional, é relativamente bem visto por não ser olavista, mas também criticado por não ter jogo de cintura no universo político, o que pode trazer dificuldades para além da burocracia do ministério.​

Mais cedo, Bolsonaro comunicou Renato Feder, secretário de Educação do Paraná, de que ele estava fora do páreo nesta quinta-feira (25). O secretário se reuniu ao menos duas vezes com o presidente.

Um dos motivos que levaram o secretário a desidratar na bolsa de apostas foi o fato de ele ter sido um dos doadores da campanha de João Doria (PSDB-SP) ao governo de São Paulo em 2018.
Além de Feder, outros nomes foram cogitados por Bolsonaro, que, no fim, optou por seguir a sugestão da ala militar.

Em sua live semanal, Bolsonaro afirmou que recebeu o nome de quatro "voluntários" para ocupar o cargo, mas que, entre Feder e Decotelli, optou pelo segundo por uma questão de idade e currículo.

"A opção acabou sendo pelo Carlos Alberto Decotelli, pela idade, tem um currículo mais extenso, mas também tantas virtudes quanto tem também, por outro lado, o garoto, o Renato, entre outros dois que se apresentaram também como candidatos a ser ministro da Educação. Foi uma escolha muito difícil porque todos os quatro tinham um currículo excepcional", disse Bolsonaro.

Colaboraram Daniel Carvalho e Bernardo Caram

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.