Descrição de chapéu Escolha a escola

Pais renegociam prazo para pagar escola e fazem até permuta; veja relatos

Famílias que perderam renda por causa da pandemia recorrem às instituições de ensino para manter filhos matriculados

Lisandra Matias
São Paulo

Manter os filhos em escolas particulares é um desafio para os pais que tiveram perda na renda por causa da pandemia de Covid-19.

A negociação com as escolas, seja por descontos, parcelamentos ou outras propostas criativas é uma saída para as famílias e também pode beneficiar as próprias instituições, que estão perdendo alunos. ​

Veja abaixo os depoimentos de duas mães que passaram por essa situação.

*

‘Paguei metade do preço por dois meses e parcelei a dívida em cinco vezes’

Eu e meu marido somos dentistas, e nossa clínica ficou 40 dias fechada, o que teve um impacto grande no nosso orçamento. Em abril, pedi um desconto no colégio do meu filho. Como ele já tem bolsa de 20%, a escola propôs que pagássemos, por dois meses, 50% da mensalidade, e depois ajustaríamos a outra metade.

Em maio e junho, pagamos R$ 1.100, o que foi um alívio.

Em nova negociação, acertamos que a dívida seria quitada em cinco vezes. Mas, como além desse valor teria a própria mensalidade, e a retomada da clínica ainda está lenta, pedimos um novo acordo.

A direção explicou por que não poderia dar mais descontos —a escola é nova e tem poucos alunos—, mas permitiu estender a dívida para 2021. Gostei da maneira como eles conduziram as coisas, da transparência e da abertura para negociação.

Marlene Souza Santos, 57, dentista, mãe do Rafael, 16, do 2º ano do ensino médio do colégio Novo Pátio, zona norte de SP

‘Negociei bolsa de 100% em troca de curso de mindfulness’

Sou psicóloga e, antes de ser demitida na pandemia, trabalhava em um centro de extensão da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), onde atendia pacientes e fazia intervenções de mindfulness (técnica de meditação). Como meu salário já havia sido reduzido, tinha conseguido um desconto de 12,5% na mensalidade do colégio da minha filha, que custa R$ 2.700.

Depois da demissão, voltei a procurar a escola, porque não queria ficar com as parcelas atrasadas. Propus ministrar cursos para os funcionários em troca das mensalidades. A direção aceitou, e consegui uma bolsa de 100% até o fim do ano.

Fiquei feliz não só por ter conseguido a permuta, mas por poder retribuir à escola.

Maria Lúcia Favarato, 55, psicóloga, mãe da Helena, 17, aluna do 3º ano do ensino médio do colégio Santa Maria, na zona sul de SP

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.