Campeã do Ideb, cidade no sertão do Ceará se reinventa na pandemia para manter liderança

Estratégia de Mucambo inclui visitas frequentes aos alunos que não têm internet em casa, problema que atinge 25% dos estudantes do município

Danilo Thomaz
Rio de Janeiro | República.org

​A monitora escolar Elisandra Rodrigues Ferreira, 20, mantém uma rotina intensa, apesar da quarentena, em Mucambo, município de 15 mil habitantes no sertão cearense. Todas as quartas-feiras, ela passa na escola municipal Maria Vânia Farias Linhares, pega as tarefas preparadas peles professoras e segue para as casas dos alunos que não têm acesso à internet.

Vai de moto, capacete, máscara e álcool em gel. “Os alunos também usam máscaras. E estão sempre com álcool em gel do lado esperando a gente”, conta.

Uma mulher usando máscaras está diante de um adolescente, também de máscara, ambos apoiados em uma mesa de cozinha. Ele escreve em um caderno
A monitora escolar Elisandra Ferreira durante visita a estudante da escola municipal Maria Vânia Farias Linhares, em Mucambo (CE) - Elisandra Rodrigues Ferreira

Ferreira aproveita a visita para tirar dúvidas das crianças e auxiliar nas tarefas. Às sextas-feiras, refaz o trajeto, agora, para pegar as atividades já feitas e deixá-las na escola, para que os professores as corrijam.

“Durante a semana, a gente fica em contato com os alunos pelo celular. Como eles não têm condições de ter internet em casa, a gente liga para eles para saber como estão, se têm alguma dúvida, para dar algum apoio.” O foco do monitoramento é português, matemática e leitura.

A Maria Vânia é uma das 15 escolas de Mucambo, todas municipais —dez das quais na zona rural. A cidade atingiu nota 9,4 no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) 2019 entre os alunos de 1ª a 5ª série.

O resultado, divulgado em setembro, a colocou no primeiro lugar no ranking nacional dos anos iniciais. Um feito ainda mais notável por tratar-se de um município pobre, no qual mais da metade da população vive em domicílios com renda de até meio salário mínimo por pessoa. O PIB (produto interno bruto) per capita (2017) é de R$ 6.730,00, 41% do índice estadual (R$ 16.395).

Em março, assim que a pandemia da Covid-19 chegou ao Ceará, a Maria Vânia, assim como as outras escolas do município, interrompeu suas atividades para que direção e professores montassem a estratégias das aulas a distância.

“A primeira coisa que nós fizemos foi um apanhado: quantos alunos estavam com internet”, conta a diretora Celina Borges. Descobriram que, dos 480 alunos, 160 não têm acesso à rede. Na cidade toda, 25% do total dos 2.726 estudantes não possuem internet em casa.

Feito o mapeamento, a escola dividiu os oito monitores –ligados ao programa Novo Mais Educação, do Ministério da Educação e Cultur –de acordo com os bairros.

Cada um é responsável por acompanhar um grupo de 20 alunos. “O trabalho está sendo feito. Claro que não é como se estivessem todos na sala de aula”, afirma a diretora. “Foi quebrada a sequência do trabalho que estávamos fazendo. Fica um pouco mais difícil.”

Professora da rede municipal há 27 anos, Keila Cristiana Azevedo de Aguiar, 44, afirma que a pandemia obrigou a escola a “se reinventar”. Ela, que dá aula para o 5º ano, grava suas aulas por meio do Google Meet, com a ajuda da filha, e faz as avaliações por meio do Google Forms.

O acompanhamento dos alunos com acesso à internet e celular é feito pelo WhatsApp. “Essa questão do acompanhamento e do resultado no começo foi um pouco difícil. Agora está razoável. Acredito que a gente não consiga os 100% [de aproveitamento], mas a gente luta para isso.”

Localizado a quase 300 km de Fortaleza, capital do estado, Mucambo teve até a última quinta-feira (8) 510 casos de Covid-19 e nove mortes. A prefeitura ainda não tem previsão de reabertura das salas de aula.

Um Comitê Municipal discutirá nos próximos dias um plano de retomada das aulas presenciais, segundo as diretrizes estaduais. A previsão é que haja uma retomada gradual.

O foco no atendimento personalizado de cada aluno é visto como o principal fator para o desempenho de Mucambo no ranking.

“Temos como ação prioritária a busca ativa do aluno. Isso tem feito toda a diferença. Quando nós percebemos que o aluno está distante da sala de aula eu vou, juntamente com alguém da escola, um coordenador ou auxiliar, ver o motivo de esse aluno não frequentar a escola”, conta a diretora Celina Borges.

“Outro trabalho que nós fazemos é diagnosticar a aprendizagem de cada aluno, onde nós passamos a detectar e a trabalhar o déficit de aprendizagem. Em todas as disciplinas nós fazemos esse monitoramento individual.”

Outro ponto destacado é a relação de proximidade entre a escola e os pais dos alunos. “Nós trazemos os pais para dentro da escola. Quando nós identificamos que a criança está com déficit de aprendizagem, nós falamos para os pais a real situação de seu filho e mostramos que temos o contraturno. E os pais aceitam trazer os alunos para o contraturno.” O contraturno é o reforço escolar individualizado.

“A gente torna esses alunos valorizados. Além dessa valorização nós estimulamos a eles nos estudos: damos medalhas, fazemos café literário, brincadeiras de karaokê. É dando que se recebe. Se você dá, você pode cobrar. Se você não dá, você não pode cobrar nada. É colocando esse incentivo que nós chegamos a esse 9,4.”

Secretária da Educação há três anos e meio, Edneide Rodrigues Rocha destaca ainda a busca da qualificação dos professores como outra razão para o desempenho no Ideb.

“Existem formações contínuas para que a gente possa direcionar esse ensino de qualidade. A gente prepara os professores para que possam trabalhar aquele aluno com déficit de aprendizagem.”

No Ideb relativo a 2017, Mucambo teve nota 6,8 entre os alunos dos anos iniciais. Com o salto para 9,4 de 2019, o município desbancou Sobral —berço político da família Gomes— da primeira colocação.

A cidade administrada por Ivo Gomes (PDT), irmão de Ciro e Cid Gomes, teve nota 8,4 neste ano e ficou em nono lugar no ranking nacional das séries iniciais. Ao todo, 21 municípios do Ceará estão entre os cem mais bem avaliados nas séries deste nível (1º ao 5º ano). Na etapa final (6º ao 9º ano), 21 municípios do Estado estão no ranking dos cem melhores do país.

De acordo com o pesquisador da Fundação Getúlio Vargas João Marcelo Borges, especialista em educação, o avanço de Mucambo aconteceu por conta da das melhorias na educação do Ceará na última década.

Ele destaca a importância das políticas estaduais que incentivam financeiramente os municípios a melhorarem o ensino. Em 2007, foi criado o Paic (Programa Alfabetização na Idade Certa), voltado à alfabetização de crianças.

O estado conta também com o Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica (Spaece), realizado anualmente e de forma censitária, com premiações, para garantir melhorias da educação infantil ao 9º ano do ensino fundamental. O Spaece avalia tanto estudantes de escolas municipais quanto estaduais.

Série mostra ação de servidores públicos contra a Covid-19

Esta reportagem faz parte de uma série que mostrará o envolvimento dos servidores públicos no combate à covid-19, o impacto da pandemia no dia a dia desses profissionais e as soluções que eles apresentam à sociedade brasileira para a superação dos desafios sanitários, educacionais e econômicos trazidos pelo coranavírus.

É uma parceria entre a Folha e a República.org, uma organização social, apartidária e não corporativa, dedicada a contribuir para a melhoria do serviço público no Brasil, em todas as esferas de governo. Com esse objetivo, em seus quatro anos de atividade, a República.org já apoiou mais de 100 projetos, com foco em formação, reconhecimento de talentos e construção de redes de profissionais do serviço público.

É uma das organizações realizadoras do Prêmio Espírito Público, que reconhece profissionais do setor público que geram impacto positivo e transformam a vida dos brasileiros.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.