Regulamento do Troféu Grão

INTRODUÇÃO

O Troféu Grão é mais uma iniciativa realizada com exclusividade pela Folha de S.Paulo para reconhecer exclusivamente empreendedores líderes de ONGs, Oscips, organizações da sociedade civil e tecnologias sociais que, independentemente do tamanho da organização, geram um alto impacto na sociedade.

Podem participar empreendedores sociais à frente de iniciativas inovadoras que beneficiem diretamente pessoas em situação de risco social e/ou ambiental. O foco são líderes de organizações sem fins lucrativos de todas as regiões do Brasil.

Os projetos devem ter pelo menos um ano de atuação até o último dia de inscrição (12 de maio de 2019). O início das atividades poderá ser comprovado por documentos formais (estatutos, contratos e registros fiscais), documentos informais (registro de site e/ou blog, entre outros) ou autodeclaração feita pelo empreendedor socioambiental ou por seu representante no ato de preenchimento do formulário de inscrição, desde que esta possa ser comprovada durante a avaliação.

OBJETIVO

O Troféu Grão tem como missão reconhecer e fomentar líderes socioambientais do Brasil, à frente de organizações da sociedade civil, ONGs, Oscips ou cooperativas com iniciativas inovadoras e de alto impacto.

Os finalistas ganham projeção nacional e internacional, reforçada pelo alto nível de qualificação e networking oferecidos pelos parceiros e pela Rede Folha de Empreendedores Socioambientais. Podem ainda aprimorar indicadores em sustentabilidade, impacto social direto e indireto, influência em políticas públicas, abrangência e escalabilidade para seus projetos.

O foco do troféu é prospectar organizações sem fins lucrativos que, pequenas ou grandes, gerem um alto impacto socioambiental.

PÚBLICO ALVO

Serão aceitas inscrições de pessoas jurídicas (cooperativas, organizações da sociedade civil, como institutos, fundações, ONGs e Oscips, etc.) como foco socioambiental. O empreendedor deve ter mais de 18 anos de idade e ser residente e domiciliado no Brasil (independentemente de sua nacionalidade).

O projeto pode ser desenvolvido em qualquer região do país e ter como foco a atuação em diversas áreas, como agricultura, ambiente, cultura, desenvolvimento local, educação, habitação, inclusão e saúde, entre outras.

Não podem participar do concurso:

  • Empreendedores que tenham iniciativas com menos de um ano de existência até o fim do período de inscrições;
  • Empreendedores à frente de organizações com fins lucrativos;
  • Empreendedores cujas iniciativas foram criadas fora do Brasil, a menos que o Brasil tenha se transformado em sua principal base de trabalho e inovação socioambiental;
  • Empreendedores de instituições de pesquisa científica, como Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e Emater (Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural);
  • Empreendedores que não residam no Brasil;
  • Empreendedores de organizações do sistema S, como Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), Sesi (Serviço Social da Indústria) e Sesc (Serviço Social do Comércio);
  • Empreendedores de organizações intermediárias ou que foram criadas unicamente para repasse de dinheiro ou que não atuam diretamente com os beneficiários finais em situação de vulnerabilidade social ou ambiental;
  • Empreendedores de organizações multilaterais ou organizações internacionais formadas por diversos governos com a finalidade de promover um objetivo comum aos países membros, como ONU (Organização das Nações Unidas), OMS (Organização Mundial de Saúde) e Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância);
  • Empreendedores de organizações públicas, como governos, hospitais etc.;
  • Empreendedores de OS (Organizações Sociais) ou pessoas jurídicas de direito privado vinculadas ao poder público por meio do contrato de gestão, em que este represente mais do que 50% do orçamento anual das receitas da organização. Por exemplo, OS gestora de hospital público ou de museu;
  • Empreendedores à frente de iniciativas de partidos políticos e/ou sindicatos;
  • Pessoas físicas ou jurídicas que não tenham autorização dos mentores do projeto para fazer a inscrição;
  • Empreendedores à frente de projetos corporativos de responsabilidade social, inclusive associações de empresas privadas, fundações e institutos;
  • Empreendedores com projetos desenvolvidos por universidades, faculdades, colégios de ensinos fundamental e/ou médio, bem como por entidades que promovam cursos técnicos;
  • Empreendedores clientes ou com qualquer relação de dependência de parceiros envolvidos no processo de seleção (júri) dos candidatos semifinalistas e finalistas de edições anteriores do concurso;
  • Pessoa física sem vínculo formalizado com organização e/ou instituição;
  • Finalistas de todas as edições do Prêmio Empreendedor Social;
  • Finalistas de todas as edições do Prêmio Empreendedor Social de Futuro;
  • Empreendedores que estejam à frente de organizações e/ou negócios sociais criados por finalistas do Prêmio Empreendedor Social ou do Prêmio Empreendedor Social de Futuro à época da visita da Comissão Avaliadora; não há restrições, contudo, à participação de empreendedores à frente de iniciativas lançadas depois da avaliação para o prêmio e que se tornaram juridicamente independentes da instituição de origem;
  • Integrantes da Rede Schwab de Empreendedores Sociais.

INSCRIÇÕES

A inscrição para o Troféu Grão 2019 é gratuita e poderá ser feita 20 de março a 12 de maio de 2019, no site do Empreendedor Social.

Formulário de inscrição

O formulário de inscrição deverá ser preenchido preferencialmente pelo(a) autor(a) do projeto.

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO

A Comissão Avaliadora, formada pela Folha de S.Paulo e por consultores independentes, levará em consideração apenas as informações fornecidas pelos candidatos nas fichas de inscrição. Serão escolhidos os candidatos levando-se em conta os critérios de impacto social, perfil do empreendedor social, inovação, sustentabilidade e influência em políticas públicas.

Será feito um rigoroso processo de investigação jornalística do candidato e de sua organização. Diversas referências serão consultadas para tecer a avaliação dos mais adequados aos seguintes critérios:

Impacto social (peso 3 na fase final)

O projeto deve apresentar como seu trabalho impacta direta e indiretamente as pessoas, de acordo com a missão da iniciativa. Os beneficiários diretos e indiretos mostram, na prática, como a organização promove mudanças sistêmicas.

Os resultados do trabalho serão avaliados quantitativa e qualitativamente por meio de:

  • Documentos, registros de pesquisas e relatórios de avaliação feitos, preferencialmente, por terceiros (empresas especializadas em avaliação de projetos sociais e auditorias independentes);
  • Testemunhos dos beneficiários diretos e indiretos.
  • A contribuição relativa do empreendedor socioambiental para a causa em que está engajado também tem relevância.

A escalabilidade da iniciativa é outro aspecto a ser analisado. O empreendedor socioambiental deve estar aberto a compartilhar seus métodos com outras organizações públicas, privadas ou da sociedade civil.

Os processos e as metodologias têm de estar sistematizados para a aplicação eficiente em outros contextos, por meio de manuais operacionais, fluxogramas e relatórios de gestão de projetos. Também será avaliada a possibilidade de a causa para a qual o candidato atua ser replicada para outros contextos.

Perfil do empreendedor social (peso 3 na fase final)

Entre as características do empreendedor socioambiental serão analisadas:

  • Profundo comprometimento com seu projeto;
  • Paixão pela causa em que atua;
  • Domínio do contexto socioambiental atual e visão de futuro;
  • Alinhamento aos objetivos do prêmio (geração contínua de inovação social, aumento de impacto social, influência em políticas públicas e busca por replicação do trabalho efetuado);
  • Aderência à organização;
  • Capacidade de tensionar, mediar e empoderar;
  • Habilidade em negociar parcerias, inclusive com outros empreendedores socioambientais;
  • Comprometimento com sua sucessão;
  • Busca por aprimoramento pessoal e profissional continuado.

No caso de outra pessoa tê-lo inscrito no concurso, é fundamental que o candidato conheça a premiação e todas as suas variantes, como a Rede Folha de Empreendedores Socioambientais, no momento da visita de avaliação.

Inovação (peso 2 na fase final)

O candidato precisa estar à frente de um trabalho diferenciado há mais de 12 meses e deve preferencialmente ser guiado pela cultura da inovação contínua. Serão avaliados quesitos como:

  • Pioneirismo;
  • Gestão para a inovação;
  • Criação de metodologias próprias de atuação;
  • Desenvolvimento de produtos ou serviços que constituam tecnologias sociais eficientes e eficazes;
  • Aplicação inovadora de tecnologias sociais já conhecidas.

Sustentabilidade financeira e governança (peso 1 na fase final)

Será levada em consideração a capacidade de a organização existir a longo prazo, por meio de indicadores como:

  • Nível de profissionalismo da gestão da organização (apresentação de planejamentos e planos, relatórios de sistematização, visão estratégica, governança e atuação dos conselhos administrativo e fiscal, adequação ao ambiente legal etc.);
  • Qualidade da gestão de colaboradores (índices de rotatividade, nível salarial, sistema de avaliação e feedback dos profissionais, incentivos ao intraempreendedorismo e à melhoria contínua, legalidade das contratações etc.);
  • Existência de equipe altamente qualificada, comprometida e engajada;
  • Estruturação e participação ativa em parcerias sólidas (financeiras ou não) e em redes envolvendo governos, empresas e sociedade civil;
  • Infraestrutura própria, alugada ou em comodato (imóveis, veículos, equipamentos e outros bens patrimoniais);
  • Uso adequado de recursos naturais e nível de impacto ambiental;
  • Relações com "stakeholders" (colaboradores, parceiros, patrocinadores, beneficiários e comunidade em geral etc).

A sustentabilidade financeira será avaliada em profundidade, a partir da gestão financeira da organização. Serão levados em conta indicadores como:

  • Nível de geração próprio de receitas (venda de produtos, prestação de serviços e taxas de adesão/associação);
  • Histórico financeiro e patrimonial (no mínimo dos últimos três anos);
  • Qualificação do gestor financeiro da organização;
  • Quantidade de patrocinadores e doadores, bem como solidez dessas parcerias;
  • Capacidade de geração de projetos;
  • Competitividade em editais e chamadas públicas;
  • Qualidade dos planos de captação de recursos.

Influência em políticas públicas (peso 1 na fase final)

O empreendedor socioambiental e/ou seu projeto devem influenciar políticas públicas locais, regionais, nacionais e até internacionais na sua área de atuação de forma a estimular a replicação de seu trabalho em larga escala.

Os principais indicadores desse critério são a proposição de projetos de lei e, sobretudo, a sanção de leis diretamente relacionadas às propostas do candidato, assim como a criação de programas de governo com métodos e participação do empreendedor socioambiental.

A quantidade e a solidez das parcerias governamentais e a prestação de serviços de alta qualidade ao poder público também são consideradas.

DOCUMENTAÇÃO

Para os empreendedores semifinalistas, serão solicitados os seguintes documentos:

  • Demonstrações contábeis completas do último ano (balanço patrimonial, demonstração de superávit/déficit, mutação do patrimônio, demonstração dos fluxos de caixa e notas explicativas);
  • Último relatório anual de atividades, com principais realizações, resultados e metas atingidas no ano, se houver;
  • Relatório de avaliação mais recente da organização (elaborado por um terceiro que seja uma entidade renomada), se houver;
  • Documentos institucionais disponíveis (planejamento estratégico, plano de negócio, "pitch", missão/visão/valores, apresentações passadas para conselho etc.);
  • Títulos e qualificações que a entidade possua (UPF, UPE, UPM, Comas, Cebas, Oscip, OS etc.);
  • Estatuto da organização;
  • Documento de planejamento estratégico da organização para os próximos anos, se houver;
  • Certidões negativas de débitos relativas a tributos federais/Dívida Ativa da União, contribuições previdenciárias (INSS), FGTS, tributos estaduais e municipais e distribuição de processos na Justiça do Trabalho.

Esses documentos serão analisados pela Folha de S.Paulo e por consultores independentes, com a colaboração de terceiros (auditores e consultores parceiros), formando uma banca que vai classificar os semifinalistas.

A Comissão Avaliadora terá como base os critérios expostos neste regulamento e tecerá um parecer fiscal, contábil e de gestão das organizações e dos empreendedores socioambientais classificados para a próxima etapa.

VISITA

Os projetos dos empreendedores socioambientais classificados para a quarta etapa de avaliação serão visitados por representantes da Comissão Avaliadora. A visita será agendada.

A pessoa inscrita deve acompanhar a Comissão Avaliadora durante toda a visita. Todas as despesas do empreendedor socioambiental inscrito (não inclui equipe e assistentes) decorrentes da visita (transporte, hospedagem, alimentação etc.) serão de responsabilidade da Folha de S.Paulo.

As inscrições que chegarem a esta etapa e que não atenderem às solicitações acima serão desclassificadas.

AVALIAÇÃO DOS FINALISTAS

Um júri formado por integrantes expressivos dos setores acadêmico, público, social e empresarial será responsável por avaliar os relatórios das inscrições finalistas, elegendo assim o vencedor do concurso.

Após analisá-lo, o júri concederá, para cada um deles, notas de 0 a 10 aos critérios mencionados neste Regulamento.

Para cada critério, será calculada a média aritmética ponderada das notas de todos os jurados em relação a cada um dos finalistas.

A nota final será a média ponderada das notas médias por critério estabelecidas anteriormente, sendo que impacto social direto e perfil do empreendedor social terão peso três; inovação terá peso dois; e sustentabilidade e influência em políticas públicas terão peso um.

Assim: NF = [ (NIm x 3) + (NP x 3) + (NIn x 2) + (NS x 1 ) + (NPP x 1) ] / 10

Em que:

NF = nota final;

NIm = nota média atribuída pelos jurados ao critério impacto social do referido projeto;

NP = nota média atribuída pelos jurados ao critério perfil do empreendedor socioambiental do referido projeto;

NIn = nota média atribuída pelos jurados ao critério inovação do empreendedor socioambiental e de seu referido projeto;

NS = nota média atribuída pelos jurados ao critério sustentabilidade financeira e governança do referido projeto;

NPP = nota média atribuída pelos jurados ao critério influência em políticas públicas do referido projeto.

A classificação será estabelecida de acordo com as notas finais do projeto. Desta forma, vencerá quem obtiver a maior nota final.

Desempate

Em caso de empate na primeira colocação, vencerá quem tiver a nota mais alta nos itens de peso 3, considerando esta ordem: impacto social e perfil do empreendedor social. Se o empate persistir, vencerá quem tiver o maior número de notas 10, 9, 8, 7 e assim sucessivamente.

PREMIAÇÃO

Além da lista a seguir, novas premiações para finalistas e vencedores de 2019 poderão ser anunciadas ao longo deste ano no site do Empreendedor Social.

Para todos os finalistas

Visibilidade e credibilidade

Todos os finalistas do Troféu Grão terão seus perfis pessoais e de suas organizações publicados pela Folha de S.Paulo no caderno especial de circulação nacional Empreendedor Social e no site da Folha.

Também serão certificados em um evento a ser realizado em São Paulo, do qual participarão com todas as despesas pagas de transporte e hospedagem. A cerimônia reunirá lideranças políticas, empresariais, acadêmicas e da sociedade civil. Toda essa visibilidade significa potencial de apoio em âmbito nacional.

Receberão ainda um kit com relatório completo de avaliação encaminhado para o júri, segundo os critérios do prêmio, além de fotos e vídeo jornalístico sobre seu trabalho, para uso livre de divulgação.

Rede Folha de Empreendedores Socioambientais

Todos os eleitos serão convidados a integrar a Rede Folha de Empreendedores Socioambientais, um seleto grupo de líderes sociais altamente inovadores que interagem constantemente entre si com apoio e divulgação da Folha de S.Paulo.

A Rede Folha é coordenada pelo(a) responsável do Prêmio Empreendedor Social dentro da Folha de S.Paulo. Cabe a(o) coordenador(a) da Rede Folha conectar integrantes com a redação da editoria Empreendedor Social para a publicação de notícias e reportagens referentes a rede e seus membros, organizar a realização de eventos relacionados e realizados pela rede e gerenciar demais assuntos ligados à rede.

Em eventual desligamento do empreendedor social da iniciativa reconhecida pelo concurso, este continua como membro da rede, mas deve indicar um representante que passará a integrar mailing e networking com demais empreendedores sociais e parceiros.

Integrantes da Rede Schwab de Empreendedores Sociais poderão entrar para a Rede Folha, após manifestação por escrito para o(a) coordenador(a) da rede.

Capacitação e Gestão

Os finalistas também receberão como premiação dos parceiros:

  • Uma bolsa integral no curso online de Negócio Sociais da Artemisia, com acesso à plataforma por três meses, a contar de janeiro de 2020;
  • Duas horas de mentoria da Artemisia, em data a ser combinada, ao longo de 2020;
  • Viabilização de participação em seminários e eventos de informação e capacitação na área socioambiental realizados pela Ashoka em 2020;
  • Participação em eventos relacionados a temas sociais e empreendedorismo cultural ou educacional, realizados pelo British Council em 2020; ​
  • Viabilização de participação em seminários e eventos de informação e capacitação na área socioambiental realizados pela FGV Cenn (Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas);
  • Bolsas de estudo do FGV Ces (Centro de Estudos em Sustentabilidade da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas) em uma oficina temática das Iniciativas Empresarias em 2020;
  • Plano de Conexão semestral no Impact Hub São Paulo, com acesso a eventos, plataformas, benefícios e encontros exclusivos para membros;
  • Bolsa no valor de 50% para o Curso Online da INK Assessoria e Treinamento, preparatório para a Certificação Internacional em Gestão de Projetos PMD Pro1;
  • Workshop de duas horas realizado pelo Sistema B para finalistas enquadrados como empresas, onde será apresentado o conceito de nova economia, o movimento de Empresas B e um tutorial da avaliação de impacto B e seus indicadores;]
  • Webinar ou evento presencial de 3 a 5 horas com tema a ser definido pelos participantes e representantes da Sitawi Finanças do Bem, a ser realizado no primeiro semestre de 2020;
  • Capacitação de 12 horas sobre temática a ser definida, dividida em dois encontros com seis horas cada um, incluindo plantão de dúvidas, oferecida pela Szazi Bechara Storto Advogados;
  • Aceleração de um projeto na Yunus Negócios Sociais do Brasil, escolhido entre os finalistas da edição 2019. O ciclo de aceleração intensiva tem duração de 12 semanas e inclui capacitação/motivação (palestras, workshops presenciais e video-aulas), Canvas ao Business Plan e assessoria jurídica/tributária/financeira;
  • Dez licenças para o programa de aceleração digital a distância da Yunus Negócios Sociais do Brasil, com conteúdo nacional e internacional, incluindo empreendedores mentores, material de apoio e uma aula com o professor Muhammad Yunus; 
  • Ação, com a Faap Responsabilidade Social, que pode envolver oficinas ou apoio a eventos e campanhas, em especial nas áreas de cultura e educação, podendo ser remota ou presencial;
  • Relatório de avaliação do projeto elaborado por consultores independentes.

Network e captação de recursos

  • Treinamento em captação de recursos realizado pelo Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social);
  • Participação no Fórum Anual das Iniciativas Empresariais do FGV Ces (Centro de Estudos em Sustentabilidade da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas), que abordará temas relacionados a inovação e  sustentabilidade em empresas no século 21, a ser realizado em dezembro de 2019;
  • Convite para o Festival Social Good Brasil 2020, em Florianópolis, sem despesas incluídas;
  • Dez vagas para um dia de visita na sede da Yunus Negócios Sociais do Brasil, em São Paulo, sem despesas incluídas, com apresentação da equipe no país, apresentação de empreendedores e cases globais e sessão online ao vivo com time global. 

A organização dos prêmios escolherá os beneficiados seguindo critérios como perfil do empreendedor socioambiental, pontuação obtida do júri, localização e situação atual da organização que lidera. Na impossibilidade de utilização do prêmio pelo empreendedor social e/ou sua equipe, o benefício será repassado ao finalista suplente até se esgotarem as possibilidades.

Despesas de viagem e material de estudos serão de responsabilidade da organização beneficiada, salvo exceções descritas.

Visibilidade

  • Assessoria de imprensa especializada para divulgar os projetos finalistas na mídia brasileira, realizada pela Frida Luna Boutique de Comunicação;
  • Publicação do perfil do empreendedor socioambiental e da organização na Folha de S.Paulo, com chamadas na homepage da Folha;
  • Reportagens nos sites e publicações dos parceiros.

Para o vencedor

Além dos benefícios estendidos a todos os finalistas, o vencedor do Troféu Grão 2019 receberá da Folha de S.Paulo um troféu, em evento a ser realizado em 11 de novembro de 2019, em São Paulo, com transmissão ao vivo pela TV Folha.

O perfil pessoal do vencedor terá destaque na capa do caderno especial Empreendedor Social, a ser publicado nacionalmente pela Folha de S.Paulo, e no site da Folha.

Fórum Econômico Mundial

Finalistas que atenderem aos critérios estabelecidos pela organização Jovens Líderes Globais do Fórum Econômico Mundial serão indicados para o Fórum dos Jovens Líderes Globais.

Finalistas que tiverem entre 20 e 30 anos de idade e que atenderem aos critérios estabelecidos pela organização Global Shapers do Fórum Econômico Mundial serão indicados para receberem o título de Global Shaper.

O vencedor também receberá como premiação dos parceiros:

  • Curso de extensão, ou curso livre, a partir de portfólio oferecido pela Faap em 2020, de acordo com disponibilidade, em um dos campi (São Paulo, São José dos Campos, Ribeirão Preto e Brasília);
  • Convite para o processo de seleção de empreendedores sociais da Ashoka;
  • Dez horas de mentoria da Faap Business Hub, em data a ser combinada, ao longo de 2020;  
  • Acesso livre e gratuito a pelo menos três workshops sobre empreendedorismo a serem promovidos em 2020 pela FGV Cenn (Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas);
  • Consultoria da Jr. Faap Consulting, com supervisão de professores nas áreas de marketing, finanças, administração, desenvolvimento social e sustentabilidade, ao vencedor da categoria;
  • Mentoria de duas horas com professores do FGV Cenn (Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas), a ser realizada ao longo de 2020;
  • Plano de Conexão por um ano, com acesso a eventos, plataformas, benefícios e encontros exclusivos para membros, somado a um plano full time de utilização do espaço físico do Impact Hub por dois meses ao longo de 2020;
  • Uma bolsa integral para o curso preparatório para a Certificação Internacional em Gestão de Projetos PMD Pro1, em formato virtual ou presencial (a ser escolhido pelo vencedor), oferecida pela INK Assessoria e Treinamento;
  • Mentoria de uma hora com mentores da rede do Centro de Empreendedorismo do Insper ao longo de 2020;
  • Bolsa integral em cinco cursos de curta duração do Insper entre: direito em startups; marketing estratégico; primeiros passos na liderança; branding; private equity e venture capital.

Despesas de viagem e material de estudos serão de responsabilidade da organização beneficiada, salvo exceções descritas.

Categoria Escolha do Leitor

O objetivo da categoria Escolha do Leitor é aumentar a interação entre os leitores do Grupo Folha e os líderes socioambientais mais inovadores do país, ampliando a visibilidade de seus projetos.

Nesta categoria, não há distinção entre Empreendedor Social, Empreendedor Social de Futuro e Troféu Grão. O público decide qual é sua iniciativa preferida.

Todos os finalistas de 2019 concorrerão ao troféu Escolha do Leitor. Um vídeo curto será gravado pela Folha de S.Paulo para cada projeto, entre 6 de junho e 15 de agosto. As gravações irão ao ar em outubro de 2019 no site do Empreendedor Social.

O mais votado receberá:

  • Um dia de auditório para palestra e divulgação do seu projeto para clientes, parceiros e amigos oferecido pelo Civi-co;
  • Participação no Programa Observatório do 3º Setor a ser realizado no Civi-co;
  • Plano de Marketing e de comunicação personalizados e elaborado pelos alunos da ESPM Social, com apoio e orientação de professores especialistas;
  • Acesso, sem custos de inscrição/participação, para o Congresso Gife em 2020, com data ainda a ser definida;
  • Plano de medição de impacto em um programa a ser desenvolvido em 2019 pelo Insper Metricis, envolvendo alunos e coordenado por professores;
  • Mentoria de uma hora com profissionais da rede do Centro de Empreendedorismo do Insper ao longo de 2019;
  • Bolsa integral em cinco cursos de curta duração do Insper entre: direito em startups; marketing estratégico; primeiros passos na liderança; branding; private equity e venture capital;
  • Participação no Fórum Brasileiros de Filantropos e Investidores Sociais, realizado pelo Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social) em 2020, válida quando o escolhido for finalista do Prêmio Empreendedor Social e/ou do Prêmio Empreendedor Social de Futuro, com apresentação dos respectivos projetos para uma seleta plateia de investidores sociais, com despesas de passagens e hospedagem pagas, caso o empreendedor resida fora de São Paulo;
  • Uma bolsa integral para o curso preparatório para a Certificação Internacional em Gestão de Projetos PMD Pro1, em formato virtual ou presencial (a ser escolhido pelo vencedor), oferecida pela INK Assessoria e Treinamento;
  • Fast-track na seleção do programa de aceleração do Quintessa;
  • Mentoria de 8 horas da Neurônio em eventos e premiações como ferramentas de captação de recursos, a serem utilizadas durante o primeiro semestre de 2020;
  • Consultoria jurídica de 20 horas do escritório Szazi Bechara Storto Advogados a ser utilizada entre março e outubro de 2020.

Despesas de viagem e material de estudos serão de responsabilidade da organização beneficiada, salvo exceções descritas.

Divulgação dos Resultados

A organização do concurso enviará para o email fornecido na inscrição mensagem sobre a classificação para a segunda fase. Não serão oferecidas informações adicionais (como motivos de desclassificação) devido ao grande número de candidatos na primeira fase.

A seleção a cada etapa do concurso é sigilosa, e a divulgação somente poderá ser feita com a sinalização da organização dos prêmios, após as fases de avaliação, entre abril e setembro.

Cabe aos inscritos acompanhar todas as etapas do concurso por meio do site do Empreendedor Social.

Reportagens sobre o Troféu Grão também serão veiculadas na Folha de S.Paulo desde as inscrições até os resultados finais.

Fases do Concurso

Primeira fase - 20 de março a 12 de maio

A avaliação dos formulários desta fase será realizada pela Folha de S.Paulo e por consultores independentes, com base nos critérios expostos neste Regulamento.

Segunda fase - 12 de maio a 30 de maio

  • Análise dos formulários da primeira fase (até 10 de maio);
  • Classificação para a segunda fase - envio de questionários e pedido de documentação (20 de maio a 30 de maio).

A avaliação dos formulários desta fase será realizada pela Folha de S.Paulo e por consultores independentes, com base nos critérios expostos neste Regulamento.

Terceira fase - até 5 de junho

  • Avaliação de documentação e do questionário da segunda fase;
  • Banca de Avaliação (3 de junho)
  • Seleção dos melhores candidatos e desenho da logística da avaliação em campo.

A avaliação dos formulários desta fase será realizada pela Folha de S.Paulo, por consultores independentes e por parceiros, com base nos critérios expostos neste Regulamento.

Quarta fase - 6 de junho a 15 de agosto

  • Avaliação in loco dos projetos e definição dos finalistas dos prêmios;
  • Convocação do júri 2019.

Quinta fase - julho a 16 de setembro

  • Elaboração dos relatórios sobre os finalistas dos prêmios para o júri;
  • Deliberação do júri - de 15 de setembro a 15 de outubro.

Os relatórios de avaliação serão realizados pela Folha de S.Paulo, com consultores independentes.

O júri será composto de membros em dois níveis:

  • Cadeiras fixas - um representante da Folha de S.Paulo, um da Fundação Schwab e um vencedor dos prêmios nos anos anteriores e/ou membro da Rede Folha de Empreendedores Socioambientais;
  • Cadeiras rotativas - representantes expressivos dos setores acadêmico, público, empresarial e do terceiro setor convidados pela Folha de S.Paulo.

Sexta fase - outubro

  • Anúncio dos finalistas;
  • Votação aberta ao público na categoria Escolha do Leitor;

Cerimônia de Premiação - 15 Anos do Prêmio Empreendedor Social - novembro

  • Cerimônia de premiação (4 de novembro de 2019) e publicação do caderno especial.


Sobre o realizador

Folha de S.Paulo

Jornal mais influente do Brasil, com circulação média semanal de 305.678 exemplares*, a Folha de S.Paulo tem como objetivo principal, nos prêmios Empreendedor Social, Empreendedor Social de Futuro e Troféu Grão, dar visibilidade ao empreendedorismo social, que visa a construção de uma sociedade sustentável e mais justa.

Folha de S.Paulo foi escolhida pela Fundação Schwab em 2005 para exercer, com exclusividade, o papel de realizadora do Prêmio Empreendedor Social no Brasil.

Fundada em 1921, a Folha completou mais de nove décadas de vida. Seu crescimento foi calcado nos princípios editoriais do Projeto Folha: pluralismo, apartidarismo, jornalismo crítico e independência.

Organizado em cadernos temáticos diários e suplementos, tem circulação nacional. Foi o primeiro veículo de comunicação do Brasil a adotar a figura do ombudsman e a oferecer conteúdo online a seus leitores.

Website Folha: folha.com

Website do Prêmio: folha.com/empreendedorsocial

*IVC janeiro 2019

Considerações finais

Folha de S.Paulo declara-se soberana em todas as etapas do Troféu Grão. Não cabe, portanto, qualquer natureza de recurso ou contestação deste Regulamento.

Toda e qualquer inscrição recebida será declarada como manifestação tácita de pleno acordo do candidato com o Regulamento do concurso.

Ao se inscrever, o candidato automaticamente autoriza, expressamente, a Folha de S.Paulo a reproduzir, publicar, veicular, citar e exibir imagens (fotografia e vídeo), áudios e textos sobre seu trabalho, ilimitadamente, no jornal Folha de S.Paulo, que será distribuído/comercializado e exibido em todo o território nacional e no exterior, em meio impresso e eletrônico (internet), em local, edição, tamanho a serem definidos a exclusivo critério do jornal.

Essa autorização é fornecida em caráter gratuito, não incorrendo à Folha de S.Paulo em qualquer custo ou ônus, a qualquer tempo e título. A autorização é dada em caráter irrevogável e irretratável, sem qualquer limitação de quantidade, tempo e território, obrigando o (a) candidato (a) por si, seus herdeiros e seus sucessores.

A Comissão Organizadora do concurso reserva-se o direito de modificar o Regulamento e/ou as datas do concurso. Nesse caso, os candidatos inscritos serão notificados por email e/ou por reportagens que esclareçam as alterações.

O Troféu Grão é uma iniciativa exclusiva da Folha de S.Paulo.

Todos os direitos do Troféu Grão estão reservados à Folha de S.Paulo.

Para entrar em contato com a organização do Troféu Grão, envie email para empreendedorsocial@grupofolha.com.br, ligue para (11) 3224-3605/2226 ou acesse o formulário Fale Conosco.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.