Fundação Banco do Brasil investe mais de R$ 117 mi na área social

Organização realiza 10ª edição de seu prêmio e patrocina Escolha do Leitor

Giovanna Reis
São Paulo

Com quase 130 mil participantes em 389 projetos, a FBB (Fundação Banco do Brasil) foi responsável pelo investimento de R$ 117,7 milhões na área social em 2018. A verba foca a promoção de ações em busca da inclusão socioprodutiva dos segmentos mais vulneráveis da sociedade, assim como a preservação do ambiente e o estímulo à educação.

Dentro dessas ações, a FBB realiza em 2019 a 10ª edição do Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, que tem como objetivo a disseminação do conceito de tecnologia social e mapear iniciativas de impacto no Brasil. Desde 2001, o concurso é feito a cada dois anos, sendo o evento reconhecido como um dos principais do terceiro setor no país. 

Armazenamento de água por cisternas é uma das tecnologias reconhecidas pela Fundação Banco do Brasil
Armazenamento de água por cisternas é uma das tecnologias reconhecidas pela Fundação Banco do Brasil - Divulgação/FBB

Em sinergia com essa atuação, a fundação patrocina com exclusividade, pelo quarto ano consecutivo, a categoria Escolha do Leitor, do Prêmio Empreendedor Social. Realizada pela Folha desde 2005, em parceria com a Fundação Schwab, a premiação seleciona, reconhece e fomenta líderes socioambientais brasileiros, que desenvolvem iniciativas inovadoras de impacto comprovado.

Na Escolha do Leitor, os finalistas das três categorias –Prêmio Empreendedor Social, Prêmio Empreendedor Social de Futuro e Troféu Grão– concorrem lado a lado pelo favoritismo do público. Em 2018, a Editora Mol foi a ganhadora do troféu com 80,1% dos mais de 500 mil votos.

impacto

Assim como o Prêmio Empreendedor Social, a FBB busca reconhecer iniciativas de impacto social em diferentes áreas. No seu concurso de 2019, certificou 123 tecnologias sociais latino-americanas. As 118  brasileiras se distribuem pelas cinco regiões do país. São 7 no Norte e no Centro-Oeste, 23 no Sul, 30 no Nordeste e 51 no Sudeste. 

Em São Paulo, foi reconhecida a tecnologia "Primeira infância: um olhar afetivo e educativo", do Instituto André Franco Vive, que oferece a crianças de quatro a seis anos de idade, por meio do fortalecimento de vínculos afetivos, condições adequadas para o desenvolvimento físico e cognitivo durante a primeira infância.

A educação é uma das principais áreas de investimento e, em 2018, foram mais de R$ 25 mil direcionados para projetos desse tipo, segundo o relatório da FBB.

A preservação do ambiente também recebe destaque na fundação —no ano passado, foram quase R$ 50 mil. No Pará, em 2019, foi certificado o sistema de recuperação florestal "Ecologia Criativa", do Instituto Amigos da Floresta Amazônica. A iniciativa visa aproximar a sociedade e gerar sensibilização sobre a importância das florestas, além de promover o retorno da biodiversidade da região através do reflorestamento. 

Os finalistas do Prêmio FBB concorrem a R$ 700 mil divididos entre as categorias nacionais:  Cidades Sustentáveis e/ou Inovação Digital; Educação; Geração de Renda e Meio Ambiente e as premiações especiais: Mulheres na Agroecologia, Gestão Comunitária e Algodão Agroecológico e Primeira Infância.

O prêmio será de R$ 50 mil para o primeiro colocado, R$ 30 mil para o segundo e R$ 20 mil para o terceiro de cada uma das categorias.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.