Startup aposta na solidariedade de fim de ano para arrecadar R$ 2 milhões para ONGs

Por meio da campanha Doa Brasil, Doare seleciona 150 organizações para programa de aceleração e espera revolucionar mercado de doações no Brasil

São Paulo

Fundada com objetivo de conectar pessoas às causas com que se identificam, a Doare —fintech que intermedia doações online— acaba de criar a campanha “Doa Brasil”, programa de aceleração para 150 diferentes causas sociais do país, visando popularizar as doações via internet. A campanha de arrecadação já está em andamento e se encerra em 6 de janeiro. 

A iniciativa nasceu da identificação de uma oportunidade no mercado brasileiro de doações, que ainda não possui o hábito de usar canais digitais. Segundo a pesquisa Giving Report 2019 Brasil, realizada pela CAF (Charities Aid Foundation), 68% dos brasileiros que fizeram doações utilizaram dinheiro vivo, enquanto apenas 12% optaram por meios digitais.

Outro levantamento realizado pela Network for Good, empresa americana de captação de recursos e treinamento para instituições de caridade, aponta que o volume de doações nos últimos dias do ano tendem a superar em até 15% quaisquer outras datas especiais.

Pensando em usar isso a favor dessas instituições, a Doare assumiu o desafio de criar pontes democráticas entre o setor social, pessoas e empresas.

A ideia é que por meio da tecnologia, seja possível conectar esses três pilares, fomentando a cultura de doação, não só no país, mas no mundo todo. Atualmente a startup é a única plataforma de doações para instituições filantrópicas que recebe recursos em real brasileiro, dólar, euro e libra e tem como expectativa arrecadar R$ 2 milhões para beneficiar as 150 ONGS selecionadas pelo programa. 

Startup Doare assumiu o desafio de usar a tecnologia para criar pontes democráticas entre o setor social, pessoas e empresas
Startup Doare assumiu o desafio de usar a tecnologia para criar pontes democráticas entre o setor social, pessoas e empresas - Divulgação

“A ideia surgiu a partir da percepção de que muitas organizações sociais querem arrecadar fundos por meio de campanhas de crowdfunding [financiamento coletivo], porém não sabem por onde começar, e  também pelo lado do doador —muitas pessoas e empresas têm o desejo de ajudar essas instituições, mas não sabem qual escolher e acabam se sentindo inseguras para doar”, diz Ruy Fortini, CEO e Founder da Doare. 

Em sua primeira edição, o movimento foi dividido em duas etapas. A primeira teve como objetivo capacitar gestores sociais por meio de workshops em captação de recursos e marketing, além de mentorias individuais e toda estrutura de tecnologia para criação de campanhas de financiamento coletivo.

Na segunda, já com as captações no ar, as plataformas contam com a funcionalidade de embaixadores, matching de empresas e também com todos os materiais de apoio necessários para divulgação das campanhas na imprensa e redes sociais.

“No fim do ano é mais comum que as pessoas sejam mais solidárias e se sintam dispostas a ajudar o próximo. Por isso, esperamos que o mês de dezembro seja um divisor de águas para essas instituições”, aponta Fortini. 

Ele diz que o objetivo é que o Doa Brasil movimente o mercado de doações, fazendo com que as organizações tenham mais visibilidade e atraiam mais investidores que impulsionem o trabalho que essas ONGs já desenvolvem.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.