Descrição de chapéu Coronavírus Textos liberados

Como doar dinheiro, equipamentos e sangue para hospitais

Saiba quais instituições buscam contribuições para a compra de respiradores e material médico, além de hemocentros que precisam de doadores

São Paulo

Empresas, organizações do terceiro setor e filantropos estão se mobilizando para captar recursos para a área de saúde e equipamentos para hospitais.

Para fazer frente à pandemia e seus impactos sociais, sanitários e econômicos, importantes lideranças do setor, como institutos, fundações e ONGs de referência lançaram fundos de investimento, crowdfunding e esquemas de captação de doações.

Os hemocentros também precisam de doadores para regular seus estoques frente à pandemia.

A seguir, as principais iniciativas e informações de como contribuir financeiramente e doar sangue.

Para doar dinheiro

Fundo Emergencial para a Saúde

Entre as primeiras iniciativas, está o Fundo Emergencial para a Saúde - Coronavírus Brasil instituído por três entidades: Idis (Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social), Movimento Bem Maior e BSocial para captar doações por meio da plataforma.

Inicialmente, foram selecionados como beneficiários do fundo a Fiocruz (Fundação Oswaldo , o Hospital das Clínicas, a Santa Casa de São Paulo e a ONG Comunitas, que atua em causas públicas.

Os recursos captados serão revertidos na compra de equipamentos hospitalares e para UTIs, em testes para diagnóstico da Covid-19, materiais de proteção para médicos e enfermeiras e medicamentos.

“Estamos também soltando uma nota pública para convocar grandes investidores privados e filantropos a doarem recursos para apoiar o combate à pandemia, atuando em duas frentes, com organizações cadastradas e o fundo, um mecanismo para fazer o dinheiro chegar à ponta”, explica Paula Fabiani, do Idis.

As doações em dinheiro também podem ser feitas por meio da conta da administradora do fundo, a SITAWI Finanças do Bem (Itaú, ag. 0413, c/c 16266-0 - CNPJ/MF sob nº 09.607.915/0001-34).

Respiradores para o SUS

Em mobilização própria, a ONG Comunitas também já levantou mais de R$ 35 milhões para a compra de cerca 345 respiradores para hospitais públicos de São Paulo. A meta inicial foi batida na segunda-feira (23), com o objetivo de prover equipamentos para ventilação mecânica de pacientes internados em UTIs.

“Estamos fazendo mobilização de recursos financeiros após trabalhar em conjunto com o governo para garantir a estrutura de implementação dos equipamentos em hospitais do SUS e pesquisa sobre a disponibilidade de aparelhos no mercado”, afirma Regina Esteves, presidente da Comunitas.

A empreendedora social montou a operação com apoio técnico do hospital A.C Camargo que deu suporte para identificar as unidade de saúde com capacidade para receber e operar com novos respiradores, essenciais para tentar evitar o colapso no sistema de saúde no pico da pandemia no país.

A mobilização contou com a adesão de grandes empresários e cidadãos comuns que fizeram doações como pessoas físicas e aderiram à causa de fortalecer o SUS com aporte também de investimentos privados. “É importante trabalhar como política pública para não desperdiçar recursos e ser efetivo e eficiente”, diz Regina.

A Comunitas está modulando o mesmo arranjo para ser replicado no Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Quem quiser ajudar, pode acessar a campanha via WhatsApp e redes sociais pelo site.

Campanha #VemPraGuera

Em São Paulo, o Hospital das Clínicas da USP lançou a campanha #VemPraGuerra, que conta com a sociedade civil para levantar R$ 10 milhões até o dia 2 de abril.

Com o dinheiro angariado, a equipe do hospital irá comprar máscaras cirúrgicas, máscaras N95, álcool gel, aventais, toucas descartáveis e máquinas de raio-X portáteis.

As doações devem ser feitas exclusivamente pela plataforma Charidy, que não cobrará taxas na transferência do dinheiro.

Crowdfunding HCs de Minas

Em Minas Gerais, a universidade federal (UFMG), em parceria com o Instituto dos Advogados e a Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep) lançou campanha de financiamento coletivo para arrecadar recursos para aquisição de medicamentos, insumos, equipamentos e serviços destinados aos hospitais de Clínicas da UFMG, Risoleta Tolentino Neves e UPA Centro-Sul.

O montante arrecado será gerido pela Fundep e utilizado no atendimento das vítimas diagnosticadas com Covid-19, síndromes respiratórias agudas e demais emergências.

Interessados em contribuir poderão transferir qualquer valor para Banco do Brasil (001)/Agência: 1615-2/Conta corrente 960.419-7.

Quem desejar doar bens ou equipamentos poderá entrar em contato com a Diretoria de Relações Institucionais da UFMG por meio do telefone: (31) 3409-5555 ou pelo email gab@copi.ufmg.br.​

PARA DOAR SANGUE

Fundação Pró-Sangue

Depois de a imprensa divulgar que o estoque de sangue da fundação estava baixo, muitas pessoas compareceram aos postos de doação, e o banco foi normalizado.

Mesmo assim, a instituição pede aos doadores que continuem fazendo seus agendamentos, para que a estabilidade das doações seja mantida. Agora, só há vagas para o mês de abril.

Para doar, é preciso mandar um email para agendamento@prosangue.sp.gov.br e aguardar o retorno com confirmação de dia e horário.

No momento, a Pró-Sangue está atendendo em dois postos na cidade de São Paulo, o das Clínicas ( av. Dr. Enéas Carvalho de Aguiar, 155, 1º andar, Cerqueira César) e o do Mandaqui ( r. Voluntários da Pátria, 4227, Mandaqui), e um em Osasco ( R. Ari Barroso, 355, Presidente Altino).

Para mais informações, ligue para (11) 4573-7800 ou acesse prosangue.sp.gov.br.

Hemocentro do Hospital São Paulo

O hemocentro, que pertence a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), está com estoque mínimo, suficiente para atender somente a demanda desta terça (24).

Os atendimentos devem ser agendados previamente pelo telefone (11) 5576-4240 (discar a opção 1), de segunda a sexta-feira das 8h às 17h30.

O hemocentro fica na r. Diogo de Faria, 824, Vila Clementino (zona sul de São Paulo).

Hemominas

Antes da chegada da Covid-19 ao Brasil, todas as unidades da Fundação Hemominas, em Minas Gerais, já estavam recebendo menos doações de sangue, por conta de feriados prolongadas e das fortes chuvas que atingiram o estado.

Hoje, os estoques dos tipos sanguíneos O+, O-, A+, A- e AB- estão em estado de alerta, o que significa que são suficientes para mais cinco dias. Para doar, é preciso fazer um agendamento prévio pelo site, pelo MG App (aplicativo do governo de Minas Gerais, disponível para sistemas Android e iOS) ou pelo telefone 155 (discar opção 1).

A Hemominas tem unidades nas cidades de Belo Horizonte, Além Paraíba, Betim, Diamantina, Divinópolis, Governador Valadare, Ituiutaba, Juiz de Fora, Manhuaçu, Montes Claros, Passos, Patos de Minas, Ponte Nova, Pouso Alegre, Poços de Caldas, Sete Lagoas, São João Del Rei, Uberaba e Uberlândia.

Acesse hemominas.mg.gov.br para mais informações.

Hemorio

O hemocentro coordenador da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro registrou queda de 50% do número de doadores na última semana.

Para fazer a doação, só é preciso ir até o Hemorio, que fica na r. Frei Caneca, 8, Centro (ao lado do Hospital Municipal Souza Aguiar).

Mais informações pelo site hemorio.rj.gov.br ou pelo telefone 0800 2820708.

Requisitos para doar sangue

● Estar em boas condições de saúde;

● Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos;

● Pesar no mínimo 50kg;

● Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas);

● Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação);

● Apresentar documento original com foto recente, que permita a identificação do candidato emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social, Carteira Nacional de Habilitação e RNE-Registro Nacional de Estrangeiro).

Há ainda alguns impeditivos para a doação, como estar resfriado ou ter feito tatuagem no último ano.

Segundo norma técnica publicada recentemente pelo Ministério da Saúde, candidatos que tiveram contato no último mês com pessoas infectadas pelo novo coronavírus ou que possam estar com a doença não podem doar sangue por 30 dias, após o último contato com esse paciente.

Quem teve Covid-19 é considerado inapto para doar por um período de 90 dias, após recuperação clínica completa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.