Descrição de chapéu Coronavírus

Empresas de alimentos doam seus ingredientes primários a quem precisa

Heinz, LivUp e Enel combatem a fome na pandemia abastecendo ONGs e famílias vulneráveis

São Paulo

Em meio à pandemia, que impacta especialmente os mais vulneráveis, grandes empresas surgem com iniciativas para abastecer as famílias que mais precisam, tanto diretamente quanto por meio de ONGs que atuam na área de gastronomia social e alimentação.

Nestas terça (12) e quarta (13), a Enel Distribuição São Paulo doou 700 kits de produtos orgânicos —verduras e legumes— a comunidades da zona sul de São Paulo.

Os principais objetivos da iniciativa são auxiliar as famílias em situação mais vulnerável durante o período de pandemia e manter a atividade econômica dos agricultores das hortas comunitárias apoiadas pela distribuidora.

Todos os produtos vêm das hortas localizadas nos terrenos da distribuidora, na região de São Mateus, na zona leste da capital paulista. Elas integram o projeto Enel Compartilha Hortas em Rede, iniciativa da empresa em parceria com a ONG Cidades Sem Fome.

No total, a distribuidora já investiu cerca de R$ 890 mil no projeto Hortas em Rede. Atualmente, duas platações estão ativas com produção constante e têm 15 beneficiários diretos. Desde o início do projeto, as hortas já produziram mais de 69 mil toneladas de vegetais e distribuíram cerca de R$ 200 mil de renda aos agricultores participantes.

Também nesta semana a LivUp, startup de alimentação saudável, iniciou uma operação que visa doar pelo menos uma tonelada de frutas, legumes e verduras orgânicas por semana a ONGs e iniciativas parceiras.

Os produtos servirão tanto como matéria prima para as refeições fornecidas pelas instituições às comunidades como doadas in natura a milhares de pessoas em situação vulnerável na cidade de São Paulo.

Entre as instituições beneficiadas, estão o Capim Solidário, instituto social do restaurante Capim Santo, a Casa do Zezinho e a Gastromotiva, as duas últimas são integrantes da Rede Folha de Empreendedores Socioambientais.

Conhecida mundialmente pelo ketchup, Heinz vai doar ingredientes do produto para iniciativa da Gastromotiva de combate à fome na pandemia
Conhecida mundialmente pelo ketchup, Heinz vai doar ingredientes do produto para iniciativa da Gastromotiva de combate à fome na pandemia - Divulgação

A Gastromotiva também está sendo beneficiada pela gigante dos molhos, Heinz. A empresa decidiu recentemente doar à organização os ingredientes de seu ketchup global —tomates, açúcar, vinagre, sal, cebolas e temperos naturais.

A proposta da parceria é ampliar a atuação das Cozinhas Solidárias em São Paulo, projeto criado pela ONG logo que a pandemia do novo coronavírus começou a se agravar no país.

A iniciativa convida cozinheiros formados pela Gastromotiva a usar a cozinha de sua própria casa para produzir refeições nutritivas e balanceadas para pessoas em situação de vulnerabilidade.

"É parte do nosso DNA o aproveitamento integral dos alimentos. Com a cesta Heinz, nossas Cozinhas Solidárias terão ainda mais ingredientes nutritivos para preparar refeições saudáveis e deliciosas para quem mais precisa", diz David Hertz, chef fundador da Gastromotiva e vencedor do Prêmio Empreendedor Social de Futuro.

Professores do Insper também estão tocando o projeto Campo Favela em parceria com o Instituto Bei, Arquivo do Futuro e Instituto Galo da Manhã, para atende agricultores e familias durante a pandemia. A partir de doações, eles compram alimentos de pequenos produtores rurais a serem distribuídos em favelas.

Nas comuidade, as associações de moradores fazem os produtos doados chegaram a pequenos hortifrutis para venda com preços baixos. Com a renda gerada é feita nova compra dos pequenos agricultores.O objetivo é criar vínculos diretos entre os dois elos sustentáveis, que vão permitir a disponibilidade de frutas e legumes a preço acessível nas favelas.

As doações para o projeto Campo Favela podem ser feitas por meio do site Benfeitoria.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.