Descrição de chapéu Coronavírus

Programa destina R$ 2 milhões para apoiar marceneiros na pandemia

Iniciativa vai disponibilizar auxílio de R$ 600 para cada profissional selecionado

São Paulo

O programa Marcenaria do Bem concluiu o processo de seleção para auxiliar marceneiros que perderam renda durante a pandemia da Covid-19.

Na última semana, foram selecionados 3.684 profissionais de diferentes regiões do país para receber um auxílio de R$ 600, divididos em duas parcelas mensais de R$ 300.

No total, o programa vai distribuir mais de R$ 2 milhões.

A iniciativa foi criada pelo Instituto Leo, entidade do terceiro setor mantida pela rede Leo Madeiras, maior distribuidora de materiais para marcenaria e indústrias de móveis do Brasil, juntamente com o Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (Cieds), organização social que constrói redes de parceiros estratégicos comprometidos com melhorias sociais em âmbito nacional.

O auxílio financeiro proporcionado pelo programa ficará disponível aos marceneiros selecionados em um cartão virtual, vinculado a uma conta digital no Banco Afro, e só poderá ser utilizado para alimentação, saúde e compra de materiais de trabalho.

Os valores oferecidos não poderão ser sacados em espécie, empregados no pagamento de boletos ou redirecionados por meio de transferência bancária.

A primeira parcela do benefício será creditada em aproximadamente 72 horas após os contemplados entregarem a documentação solicitada e realizarem a ativação de suas respectivas contas digitais no Banco Afro. Já a segunda parcela será disponibilizada cerca de 30 dias depois da data de crédito da primeira.

Jeova, 74, marceneiro em Diadema, no ABC Paulista, trabalha recuperando sofás velhos para produção de novos - Zanone Fraissat/Folhapress

Como forma de ajudar ainda mais pessoas, os selecionados pelo Marcenaria do Bem serão incentivados a produzir peças para doação a instituições ou organizações sociais que estejam passando por dificuldades.

No site do programa, profissionais contemplados ou não pela iniciativa também podem ter acesso gratuito a mais de 90 conteúdos online que oferecem dicas de cuidados com a saúde, orientação profissional e instruções para a produção de diferentes tipos de móveis e utensílios.

Inspirado no programa Pintar o Bem, lançado em abril pela Suvinil também em parceria com o Cieds, o Marcenaria do Bem teve como parceiros estratégicos a própria marca de tintas da BASF, o Banco Afro e a Duratex S.A.

Para ampliar o número de profissionais beneficiados, o programa ainda contou com um sistema de financiamento coletivo que teve a adesão de 44 doadores, entre empresas e pessoas físicas.

Os interessados em participar da seleção para o Marcenaria do Bem fizeram suas inscrições entre os dias 19 de maio e 14 de junho no site da iniciativa.

Os escolhidos precisaram cumprir com todos os pré-requisitos exigidos pelo programa e tiveram seus cadastros avaliados por um sistema de pontuação que considerou fatores como número de dependentes, atuação como MEI, menor renda familiar, doença pré-existente, filiação a alguma associação de marceneiros, participação em cursos oferecidos pela Leo Madeiras e cliente da rede.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.