Descrição de chapéu Coronavírus

619 instituições para idosos vão receber auxílio no combate à Covid-19

Todos pela Saúde, iniciativa do Itaú Unibanco, direciona R$ 100 milhões em ações voltadas para 29 mil idosos e 22 mil cuidadores em 22 estados

São Paulo

Localizadas em municípios com mais de 200 mil habitantes com altos índices de casos confirmados de Covid-19, 619 Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs) foram selecionadas para receber um conjunto de ações de prevenção, monitoramento e testagem ao longo de três meses.

O programa de R$ 100 milhões vai beneficiar 29 mil idosos e 22 mil profissionais e cuidadores de entidades distribuídas por 21 estados e Distrito Federal.

É mais uma frente do Todos pela Saúde, iniciativa do Itaú Unibanco que destinou R$ 1 bilhão para o enfrentamento do novo coronavírus no Brasil.

“Desenhamos ao longo dos últimos dois meses uma ação urgente e de alto impacto que não estava no radar da sociedade em geral para proteção dos idosos que vivem em instituições”, explica Claudia Politanski, vice-presidente do banco, ao antecipar à Folha detalhes do projeto.

Para evitar a propagação da Covid-19 em um dos grupos mais vulneráveis na pandemia, o programa está organizado em dois pilares: prevenção e diagnóstico.

“Vamos fazer o acompanhamento, com visitas regulares e testagem de 100% dos residentes e profissionais de instituições de todas as regiões do país”, diz a executiva.

Desde meados de junho, começaram as entregas de 30 milhões de EPIs (máscaras cirúrgicas e de pano, óculos de proteção, face shield, luvas, avental, gorro) e itens de higiene (álcool em gel e líquido, sabonete, hipoclorito e papel toalha).

As ILPIs filantrópicas e públicas cadastradas também vão receber 2.500 termômetros e 1.200 oxímetros, equipamento relevante no tratamento da Covid-19.

“A doença tem um característica perversa, a hipóxia silenciosa, que faz com que pacientes com dificuldades para respirar cheguem ao hospital quando já é tarde demais”, afirma Claudia. Ela enfatiza a importância da medição da saturação do oxigênio no sangue, especialmente em idosos.

Além de envolver secretarias estaduais e municipais de Saúde e de Desenvolvimento Social, o programa de atenção aos idosos institucionalizados conta com a participação da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia e da Frente Nacional de Fortalecimento à ILPI.

O monitoramento in loco da implementação dos protocolos de prevenção e testagem é feito pelo Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento (Olhe).

“No mundo todo, o índice de mortes causadas pela Covid-19 é mais elevado entre pessoas idosas, principalmente entre aqueles que vivem em instituições coletivas.”, diz a enfermeira sanitarista, Miriam Ikeda Ribeiro.

Responsável técnica pelo projeto, ela explica que uma equipe de 150 visitadores da ONG Olhe vão fazer visitas regulares às ILPIs cadastradas. São eles que vão alimentar a plataforma com dados sobre casos de Covid-19 e mortes nessa população específica.

O cadastro do Sistema Único de Assistência Social tem em torno de 2.000 ILPIs, que abrigam 83 mil idosos, de um número estimado de 400 mil que vivem em instituições públicas, filantrópicas e particulares no país.

“Para além dos três meses do projeto, estamos criando uma plataforma e um banco de dados sobre IPLIs, contribuição importante para o Brasil”, afirma Miriam, diante de limitadas informações sobre a situação de abrigos para idosos no país durante a pandemia.

São Paulo, segundo ela, é o único estado que levantou dados sobre os 40 mil idosos que vivem em instituições, com 483 mortes computadas pelo Ministério Público até 10 de julho.

“Temos 75% dos óbitos no Estado de São Paulo entre a população com mais de 60 anos, sendo que 3,8% deles são de idosos institucionalizados”, calcula a enfermeira. “É o único panorama de fonte fidedigna."

A testagem em massa começou por Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal, onde há o maior risco de contágio neste momento, segundo Luciana Nicola, superintendente de Relações Institucionais e Sustentabilidade, responsável pela implementação das ações.

Para melhorar as condições de funcionamento das ILPIs atendidas e minimizar o impacto do isolamento social no dia a dia dos idosos, uma outra frente do projeto tem como parceiro o Magalu.

A gigante do varejo de eletrodomésticos vai contribuir com logística e doação às instituições de parte dos 11.700 produtos de bem-estar, entre eles TVs, tablets, máquinas de lavar, secadoras e rádios de pilha.

"Os itens de bem-estar vão atender à demanda de higienização e também promover atividades lúdicas em um projeto intergeracional", explica Luciana. Os tablets vão servir para a interação virtual dos idosos com 10 mil escoteiros.

O projeto é o quarto maior em volume de recursos dentro do Todos pela Saúde.

"Nossa decisão de fazer a doação de valor relevante e colocar esses recursos na mão de um grupo de especialistas altamente capacitados e comprometidos com a saúde pública foi a mais acertada, ao nos permitir identificar oportunidades de atuação de impacto imediato e também deixar legados", avalia a vice-presidente do Itaú Unibanco, ao fazer um balanço da iniciativa que completou três meses na segunda-feira (13).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.