Fundo Manamano fortalece microempreendedores das periferias do Rio

A meta é arrecadar R$ 2,6 milhões no primeiro ano, beneficiando 700 empreendedores; evento online de lançamento do fundo ocorre nesta terça (22)

São Paulo

Para marcar o lançamento do Fundo ManaMano,o canal de youtube da Coppead-UFRJ irá transmitir ao vivo nesta terça-feira (22), às 20h, uma discussão de especialistas e empreendedores sociais com o tema “Geração de renda: uma pauta que une universidade e empreendedorismo social”.

Voltado para o fortalecimento de nano e microempreendedores situados em regiões periféricas do Rio de Janeiro, o Fundo ManaMano é uma parceria entre instituições de fellows Ashoka (Asplande, Saúde Criança, Luta pela Paz, Gastromotiva) e a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Lançado nesta terça-feira (22), Fundo Manamano pretende fortalecer em seu primeiro ano 700 nano e microempreendedores do Rio de Janeiro
Lançado nesta terça-feira (22), Fundo Manamano pretende fortalecer em seu primeiro ano 700 nano e microempreendedores do Rio de Janeiro - Manoamano/Reprodução

O objetivo do fundo é promover o resgate da autonomia financeira e do protagonismo de famílias em situação de vulnerabilidade especialmente afetadas pela crise decorrente da pandemia do novo coronavírus.

A iniciativa nasceu da premissa de criar soluções duradouras e novas oportunidades para o empreendedorismo social através do engajamento da universidade e da sociedade civil.

O ManaMano tem como visão não somente promover o apoio financeiro, mas também fomentar uma rede de desenvolvimento de negócios ancorada em um programa de acompanhamento e formação desenvolvido pela UFRJ e demais organizações envolvidas.

Cindy Lessa, presidente do conselho da Ashoka Brasil, reafirma o caráter inovador e os efeitos duradouros do Fundo ManaMano. "Embora a ideia tenha surgido nas reuniões em torno de ações para conter impactos da pandemia, o ManaMano é um projeto coletivo de longo prazo que tem como intenção estimular o nano negócio e dinamizar uma economia de base comunitária. A capacidade de transformação dos empreendedores sociais, fellows da Ashoka, e a capacidade transformadora da universidade é um força muito potente."

Na primeira fase, com duração estimada de um ano, a meta de captação será de R$ 2,6 milhões, almejando beneficiar assim cerca de 700 empreendedores.

O Fundo nasceu com o objetivo de apoiar nano e micro empreendedores assessorados pelas instituições das fellows Ashoka que tiveram seus negócios afetados pela crise da Covid-19.

O processo de seleção do ManaMano compreende algumas fases como o preenchimento de questionário e a apresentação de proposta do projeto por meio de vídeo.

Uma vez selecionados, os empreendimentos passarão para a etapa de formação, que consiste em atividades de desenvolvimento e modelagem de negócios, além de cursos temáticos ligados à área.

Durante um período de três meses, que pode ser renovado por mais três, os beneficiários terão um acompanhamento no desenvolvimento do seu negócio através de mentorias coletivas com professores e estudantes da UFRJ e empreendedores sociais. Além disso, os empreendedores serão acompanhados pelas equipes técnicas das ONGs.

O valor a ser investido em cada negócio será de aproximadamente R$ 2.500. Esses recursos serão destinados à compra de insumos, de equipamentos e de acesso à internet.

Todos os investimentos serão acompanhados e subsidiados por um programa de capacitação criado pela parceria entre a Ashoka, as organizações dos Fellows e a UFRJ.

O edital de seleção está disponível no site www.manamano.org.br assim como outras informações sobre o projeto.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.