Descrição de chapéu

A importância do empreendedorismo social para a retomada econômica

Com o país debilitado pela crise, é preciso investir em setores estruturantes como educação e saúde

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Com a pandemia, além da tragédia pela perda de incontáveis vidas humanas, o Brasil mergulhou em uma crise econômica como muitos jamais haviam passado em suas vidas. As sucessivas medidas que incentivam o isolamento social, se, por um lado, são absolutamente necessárias para conter o avanço da Covid-19, por outro lado acarretam dificuldades econômicas para empresas de todos os tamanhos e características.

Essa situação fez com que diversas companhias reduzissem seu quadro de colaboradores ou até encerrassem suas operações. E, com isso, o Brasil possui milhões de desempregados.Isso é desanimador? Para o empresário que chegou até aqui, não.

Passado um ano do início dessa atividade econômico e social, com taxas de juros muito baixas, existe um movimento de investir na economia real. O potencial de rentabilidade de investir nas empresas é maior do que na renda fixa e isso traz entusiastas pela contribuição social envolvida

Quando um negócio alcança o sucesso, novos empregos são gerados. O tempo e a qualidade das iniciativas que surgem devem possibilitar que o Brasil saia da grave crise.

Nesse momento, portanto, todo empreendedor pode, sim, ser um empreendedor social. Todo empreendimento tem um componente social. É por meio de sua iniciativa como empresário, de sua competência e resultados que vamos superar o momento crítico pelo qual estamos passando, sob uma perspectiva econômica.

Esse trabalho, complementar à vacinação da população, é a grande oportunidade de sairmos de pé e fortalecidos da pandemia.

Com o país debilitado pela crise, ficam evidentes os setores estruturantes nos quais o empreendedorismo é necessário. São oportunidades de construir negócios de sucesso e fomentar a qualificação desses setores.

Vou dar exemplos a partir de duas áreas em que atuo. A primeira é a saúde. Além dos corajosos profissionais da saúde que estão na linha de frente contra o vírus, toda a medicina está passando por um processo de reorganização.

A telemedicina, que antes não era permitida, hoje é autorizada e é essencial. São empresas das áreas médicas e seus fornecedores que contribuem para a saúde do brasileiro e ganham receita e rentabilidade.

Outro exemplo é a educação. Para promover essa onda de empreendedorismo e de recuperação dos negócios estabelecidos, a mão de obra precisa ser qualificada e treinada para atuar de forma ainda mais competente e de acordo com as características do momento.

É fundamental mapear cursos e capacitações levando em consideração o uso da tecnologia, que está sendo cada vez mais necessária nessa nova fase do ensino a distância. Assim como no caso de empresas de saúde, essa formação será necessária para a retomada econômica e social, assim como fonte de riqueza para quem empreender na área.

Fica aqui o chamado à ação para todos os empreendedores reais ou potenciais. Isso vai passar, e a vacinação, ainda que lenta, já começou. Sua iniciativa e seu trabalho serão necessários para que possamos dar o próximo passo, que é a retomada econômica e a redução do desemprego.

Para ser protagonista desse momento, além de investir e trabalhar, avalie também a entrada em setores estruturantes que podem ser uma excelente oportunidade para a geração de empregos, receita e rentabilidade. Vamos com garra, Brasil. ​

Rodrigo Motta

Doutor em administração pela PUC-SP, é diretor do Instituto Germinare e conselheiro de administração do Vita Ortopedia e Reabilitação.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.