Descrição de chapéu Itaú

Instituto Todos pela Saúde, do Itaú, pretende ajudar a evitar novas crises sanitárias

Iniciativa do banco concorre na Escolha do Leitor em que público pode, além de votar em suas preferidas, doar para ações de enfrentamento à Covid-19

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O lançamento do Instituto Todos pela Saúde (ITpS), criado em fevereiro de 2020, consolida o apoio do Itaú à saúde no país. O destino do investimento social privado feito pelo banco, que antes da pandemia se voltava à mobilidade urbana, ao incentivo à leitura, ao esporte e à cultura, agora contribui para a vigilância epidemiológica no Brasil.

“Como evitamos novas epidemias? Esse é o foco do instituto”, diz Luciana Nicola, superintendente de Sustentabilidade, Relações Institucionais e Empreendedorismo no Itaú.

A executiva trabalhou ao lado de Claudia Politanski no movimento Todos pela Saúde, que articulou um fundo de R$ 1,2 bilhão para a mitigação dos impactos da pandemia no país. A iniciativa foi finalista do Prêmio Empreendedor Social do Ano em Resposta à Covid-19.

Concebido como associação sem fins lucrativos, o ITpS dará apoio à pesquisa, à formação de recursos humanos em epidemiologia genômica e ao desenho de uma vigilância genômica. “O grande objetivo é preparar o Brasil para ter um centro epidemiológico que evite novas crises sanitárias”, conta Luciana.

Com dotação inicial de R$ 200 milhões alocada a partir de doações da Fundação Itaú, o instituto carrega pilares fundamentais que surgiram com o movimento: produção de conhecimento para a saúde pública, financiamento de pesquisas e governança compartilhada com um comitê de notáveis.

O conselho de administração é presidido por Paulo Chapchap, diretor-geral do Hospital Sírio-Libanês. E tem Jorge Kalil, professor da USP e do Incor (Instituto do Coração), como diretor-presidente.

Os dois fazem parte do grupo de sete médicos voluntários que orientam a aplicação de recursos do banco no combate à pandemia.

Drauzio Varella, médico e escritor; Gonzalo Vecina Neto, criador da Anvisa; e Sidney Klajner, presidente do Hospital Albert Einstein, são membros ativos. “A gente se reúne de duas a três vezes por semana e temos um grupo no WhatsApp”, diz Luciana.

Na pauta da conversa entre médicos e equipe do banco está sempre o processo de atenção contínuo da saúde enquanto não há vacinação em massa. “O investimento social tem limite, colapso não é só falta de EPI, é falta de mão de obra também.”

Na fase inicial, ainda em 2020, houve compra e distribuição maciça de máscaras, equipamentos hospitalares e a criação de dois centros de testagem. A Fiocruz e o Instituto Butantan receberam R$ 50 milhões cada um para o desenvolvimento de suas fábricas de vacina.

No repique da pandemia, em 2021, a atuação mudou diante de demandas complexas em todo o país. “Adquirimos medicamentos para intubação, usinas e concentradores de oxigênio para áreas remotas”, diz Luciana.

O Itaú também tem se dedicado à assistência social, com a aquisição de cestas básicas. “Os impactos econômicos vão perdurar, voltamos ao mapa da fome.”

O investimento em saúde se colocou como parte da reputação do banco. “Percebemos que as pessoas enxergam nosso esforço de maneira diferente, entenderam o objetivo do Todos pela Saúde”, comemora a executiva, que liderou uma equipe de 300 pessoas. “Cada um doou parte do seu tempo para fazer o projeto acontecer e víamos o impacto ao final do dia.”

Na rotina do home office e em reuniões diárias com equipe e conselho, um acontecimento marcou Luciana. Ela perdeu seu padrinho para a Covid-19 em um momento de colapso do sistema de saúde. “Aquilo me tocou e pensei: ‘vou trabalhar para que ninguém precise passar por isso’.”

A iniciativa Todos pela Saúde vai à votação popular na categoria Legado Pós-Pandemia, concorrendo com outras nove iniciativas na Escolha do Leitor.

COMO VOTAR NA ESCOLHA DO LEITOR

Passo 1 Acesse folha.com/escolhadoleitor2021 e escolha a iniciativa que mais fez seus olhos brilharem

Passo 2 Clique no botão "Quero votar" e aguarde a confirmação

Passo 3 Faça uma doação para uma delas clicando em "Doar agora"

Passo 4 Preencha seus dados, valor da doação e clique em "Enviar"

O público poderá eleger seu finalista favorito em cada uma das categorias em formato inovador no qual a enquete, no site da Folha, torna-se também plataforma de doação.

Os vencedores, tanto os recordistas de votos quanto os líderes na captação de doações, serão anunciados ao longo de 2021.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.