Descrição de chapéu

Nunca foi tão importante olhar para o lado como é hoje

Movimento do Pro Criança é por multiplicar a filosofia de nova liderança e de transformação em prol da humanidade

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rosa Celia

Médica cardiologista, fundadora do Pro Criança Cardíaca

Na contramão do que poderia ser o mais esperado em um cenário de pandemia, o Pro Criança Cardíaca conseguiu continuar cuidando da criança cardíaca carente, como tem feito desde a sua fundação, em setembro de 1996. Independente do vírus, cardiopatias devem ser tratadas de perto e as mais graves continuam, em muitos casos, não podendo aguardar intervenções cirúrgicas.

No início da pandemia, a equipe administrativa do Pro Criança Cardíaca pôde se manter em homeoffice, diminuindo a circulação de pessoas no interior da instituição, se preparando para o novo normal, e entendendo a avalanche que não teve aviso prévio para se instalar na vida de todos nós.

senhora rodeada por crianças
Cardiopatias devem ser tratadas de perto mesmo na pandemia - Divulgação / Pro Criança Cardíaca

Enquanto isso, a equipe médica seguia com consultas, remanejamento de procedimentos eletivos, mas mantendo todos de caráter de urgência e ajuste à assistência odontológica, nutricional e entrega de medicamentos.

Paralelamente, enxergou-se a necessidade de intensificar a mobilização da rede de doações para que ela continuasse garantindo a qualidade do atendimento e a assistência a famílias que tiveram de lidar com dificuldades extras. Entre elas, crianças em casa em tempo integral, sem acesso à escola, com falta de terapias alternativas e tantas encarando ainda a difícil situação de desemprego, que hoje bate recorde em território nacional.

Artesãos, profissionais liberais e empresas de todos os portes, sensíveis ao nosso propósito social, conhecedoras da seriedade do trabalho desenvolvido pelo Pro Criança com prestação de contas sempre em dia, se uniram numa corrente do bem para não deixar faltar às 140 famílias que contam mensalmente com a ajuda da instituição.

No Pro Criança, esta transparência, já reconhecida através de diversas certificações, é sem dúvida determinante para a constância e decisões desses doadores que conhecem bem os valores que adotamos. Em quase 25 anos, a serem completados em setembro de 2021, 15 mil crianças e adolescentes foram beneficiados. Foram 1.500 procedimentos invasivos realizados e 32 mil consultas cardiológicas.

Se ajudar e fazer o bem são a razão de existir de uma organização do terceiro setor, na pandemia veio também uma oportunidade de enxergar com ainda mais clareza que esse cuidado começa “dentro de casa”.

Passamos a intensificar ainda mais nosso investimento no crescimento, na felicidade e no engajamento dos colaboradores, que satisfeitos propagam, dia a dia, a missão e os valores da instituição.

Estamos promovendo na prática essa humanização da administração e da cultura organizacional, acompanhando as transformações exigidas pela sociedade, abertos de coração para este caminho de governança humanizada.

Uma das atitudes tem girado em torno de treinamentos da nossa equipe e ciclos mensais para debater temas diversos para ampliar visões de mundo dos colaboradores em diferentes áreas: sustentabilidade, diversidade, compliance, humanização, entre outras.

O movimento do Pro Criança é por multiplicar a filosofia de nova liderança e de transformação em prol da humanidade e colaborando para mudar o jeito de fazer investimentos e negócios no Brasil, multiplicando os pilares que levam a uma gestão mais humana, mais ética e mais sustentável e com o objetivo de diminuir as desigualdades.

Nosso desejo é que ONGs possam sobreviver e prosperar, manter-se firmes à cura dos problemas e dores da sociedade, sustentando o propósito e a consciência no humano. Nunca foi tão importante olhar para o lado como é hoje.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.