Aceleradora 100+ abre inscrições para negócios voltados à sustentabilidade

Programa da Ambev impulsiona startups a partir de setembro; veja como se inscrever

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Startups que oferecem soluções voltadas à sustentabilidade podem se cadastrar até o dia 23 de julho na Aceleradora 100+, programa da Ambev que, nesta edição, se junta à Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) e ao Quintessa.

A aceleração, que inicia em setembro, é destinada a empreendedores cujas soluções já foram testadas e agora desejam tracionar as vendas. O programa envolve um mês de aprendizado intensivo em contato com executivos da Ambev, mentores especialistas e fundos de investimento.

Os negócios selecionados receberão aconselhamento individual para apresentarem um piloto para a Ambev e parceiros. As propostas mais qualificadas serão contratadas e os empreendedores receberão acompanhamento de gestores para a implementação.

Entre os critérios de seleção estão potencial de geração de impacto, estágio de maturidade e robustez, perfil do empreendedor e potencial de agregação de valor que o programa terá.

Para Anna de Souza Aranha, diretora do Quintessa, o programa de inovação aberta é exemplar. "Une o avanço da empresa em suas metas de sustentabilidade com uma ótima proposta de valor aos empreendedores, apoiando seu desenvolvimento e implementando suas soluções de impacto socioambiental positivo na ponta", diz.

A Aceleradora 100+, que teve as primeiras edições em 2018 e 2019, reforça o desejo da Ambev de estimular o empreendedorismo e o desenvolvimento de pequenos e médios negócios, conectando ideias disruptivas aos seus pilares de sustentabilidade.

“Os desafios ambientais atuais exigem soluções inovadoras e fora da caixa", diz Rodrigo Figueiredo, vice-presidente de sustentabilidade e suprimentos da Ambev.

"A Aceleradora 100+ surge como oportunidade para encontrarmos essas ideias novas e desenvolvermos parcerias que vão impulsionar negócios e ajudar o meio ambiente”, completa.

Na perspectiva de Augusto Corrêa, secretário executivo da PPA, trazer um programa de escala global com recorte específico para a Amazônia é significativo.

"Temos trabalhado arduamente para fortalecer os negócios de impacto que prezam pela conservação da biodiversidade e qualidade de vida das comunidades da região."

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.